Navegar

7 de agosto de 2019, 10:52h

O que querem as mulheres matemáticas, afinal?

Encontro Brasileiro de Mulheres Matemáticas

Reprodução da coluna de Marcelo Viana, na Folha de S.Paulo

No fim de julho, por dois dias, aconteceu no IMPA o primeiro Encontro Brasileiro de Mulheres Matemáticas (EBMM). Na programação, palestras científicas, apresentações de jovens, tutoriais, mesas redondas e muitas discussões sobre o papel da mulher e a questão da diversidade na ciência. Com quase 500 participantes, mulheres e homens, foi um enorme sucesso. 

Mas claro que não foi unanimidade. Um colega escreveu-me queixando-se: “Nunca vi evento de matemática excluir mulher, este é o primeiro em que vejo exclusão”. Respondi discordando das duas afirmações. Primeiro, o EBMM esteve aberto a todos: a participação masculina num evento como esse é da maior importância. Segundo, embora (na maioria dos países) mulheres não estejam proibidas de participar em atividades científicas, mecanismos de exclusão mais sutis, mas muito eficazes, infelizmente continuam em ação.

Leia também: Universitários disputam competição de Matemática na Bulgária
Philip Thompson ganha prêmio por artigo 
Luna Lomonaco faz palestra plenária no Colóquio

Quando a família incentiva o filho, mas não a filha, a ter bom resultado na Olimpíada de Matemática, a menina está sendo excluída. Também é exclusão quando o orientador recusa uma aluna porque ela pode engravidar durante o doutorado. Quando uma mulher deixa de participar numa conferência porque não tem com quem deixar os filhos, está efetivamente sendo excluída. Homens não têm problemas desses… 

Assim, mulheres talentosas vão sendo afastadas do ambiente da ciência, para prejuízo de todos. Vemos esse efeito na Olimpíada de Matemática, com o percentual de medalhistas meninas caindo com a idade – são 31% no Ensino Fundamental e apenas 19% no Ensino Médio. 

O colega protesta que “o homem não é o inimigo” e está certo. Mas, por isso mesmo, precisamos ser parte da solução. As desvantagens que as mulheres enfrentam são tanto estruturais quanto culturais. A mudança começa nas mentalidades.

Um usuário das redes sociais protesta que “as mulheres querem privilégios”. Mas o que ouvi no EBMM foi o pleito, de mulheres cuja trajetória profissional eu respeito, de que a sua contribuição seja reconhecida em pé de igualdade e que as especificidades – maternidade, responsabilidades familiares– sejam levadas em conta, exatamente para que o “jogo” seja mais justo. As agências europeias de pesquisa já fazem isso em suas avaliações de desempenho.

Para ler o texto na íntegra acesse o site do jornal ou confira na versão impressa

Leia também: Ramos apresenta teoremas da Geometria Simplética
Pesquisador Douglas Arnold critica Fator de Impacto