Navegar

30 de julho de 2019, 11:03h

Universitários disputam competição de Matemática na Bulgária

A delegação integrada por 16 estudantes de quatro universidades brasileiras está na Bulgária para representar o país na 26ª Competição Internacional de Matemática para Estudantes Universitários, que acontece até 3 de agosto na cidade de Blagoevgrad.

O evento, que começou neste domingo (28), é organizado pelo University College London em parceria com a American University in Bulgaria. A competição reúne graduandos de destaque em seus países. 

Leia também: Os desafios para conciliar maternidade e carreira
Matemática quer ajudar a prevenir dengue e zika
IMPA sedia maior reunião da comunidade matemática no país

Este ano, a delegação brasileira é integrada por alunos da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e Instituto Militar de Engenharia (IME).

Os estudantes estão acompanhados pelos professores Davi Lima (Universidade Federal de Alagoas, a UFAL), Ricardo Bortolotti (UFPE), Armando Gouveia (ITA) e Guilherme Freitas (IME).
Mais de 300 concorrentes se preparam para realizar as provas nestas terça e quarta-feiras (30 e 31).

A avaliação contém cinco questões, valendo dez pontos cada, que deverão ser resolvidas individualmente em, no máximo, cinco horas. As questões devem ser respondidas em inglês e são integradas por problemas de álgebra, análise real e complexa, geometria e combinatória.

Realizadas as provas, o trabalho dos estudantes é avaliado pelos líderes das delegações e apresentado ao tribunal de coordenação, que dará as pontuações finais de cada problema usando critérios previamente estabelecidos pelo júri internacional. Os cortes para a distribuição das medalhas são definidos posteriormente pela organização da IMC.

Brasil na IMC
O Brasil participa da competição desde 2003 e já conquistou 195 medalhas, sendo uma de ouro especial (Grand First Prize), 30 de ouro (First Prize), 72 de prata (Second Prize) e 92 de bronze (Third Prize).

Leia também: ‘Participação de mulheres na Matemática piorou’, diz Paiva
Pesquisadoras se reúnem para debater diversidade na ciência