Navegar

17 de julho de 2019, 10:32h

Medalhista da OBMEP desfila em carro de bombeiros

Felipe Plentz Klein desfila em carro de bombeiros

Reprodução da coluna de Marcelo Viana, na Folha de S.Paulo

Na semana passada, Felipe Plentz Klein, 15, viveu a aventura de sua vida. Viajou mais de 3.000 km, de Sapiranga (RS), a Salvador (BA) para receber sua medalha de ouro da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep).

Ao lado de outros 574 meninos e meninas, participou da sempre emocionante cerimônia de premiação, presidida por Marcos Pontes, ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), e prestigiada por representantes da comunidade acadêmica e dos governos estadual e municipal.

Leia também: Na Folha, os primórdios da informática da Holanda
Cerimônia de abertura destaca parceria entre Brasil-França
De astrônomo mirim a pesquisador do IMPA

Em Salvador, Felipe encontrou jovens de todo o Brasil que compartilham o encanto pela matemática e a olimpíada.

A tímida Mariana Heck, do Colégio Militar do Rio de Janeiro, assistiu compenetrada à palestra que precedeu à premiação. Na matemática não tem timidez: ganhou ouro no 6º ano, em sua primeira Obmep.

Nayra de Oliveira, de Cocal dos Alves (PI), 5.500 habitantes, conquistou sua quarta medalha e espera ingressar na Fundação Getúlio Vargas. Com a Obmep, os alunos de sua escola, Augustinho Brandão (8 ouros, 9 pratas, 4 bronzes e quatro menções honrosas neste ano), aprenderam a sonhar alto. Descoberto lá pela Obmep, Sandoel Vieira hoje é aluno de doutorado do Impa (Instituto de Matemática Pura e Aplicada). A jornalistas, Nayra falava com desenvoltura sobre como a olimpíada abre oportunidades, especialmente fora dos grandes centros.

O cearense Orisvaldo Salviano, em sua última participação, é exemplo disso. O sucesso —30 medalhas na Obmep e em olimpíadas do conhecimento— abriu as portas do renomado Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), onde começa a estudar mês que vem!

A Obmep é organizada desde 2005 pelo Impa, em parceria com a Sociedade Brasileira de Matemática, e apoio do MCTIC e do Ministério da Educação.

Felipe Plentz Klein é recebido em sua escola com faixa de parabéns pela conquista na Obmep – Divulgação

Mais de 18 milhões de jovens de praticamente todos os municípios do Brasil realizam a primeira fase. Os 5% melhores de cada escola se classificam para a segunda fase, que determina os prêmios. Desde 2017, a Obmep está aberta a todas as escolas do país, públicas e privadas.

Para o gaúcho Felipe, talvez o melhor tenha ficado para o final. Ele desfilou em carro do Corpo de Bombeiros por Sapiranga! Não é só para campeão de futebol. Felipe foi recebido com faixas e aplausos na Escola Municipal Pastor Rodolfo Saenger, também premiada com mais duas pratas, um bronze e oito menções honrosas. Ocasião para a prefeita se congratular com os ótimos resultados da rede municipal: dez medalhas e 50 menções honrosas, no total.

Para ler o texto na íntegra acesse o site do jornal ou confira na versão impressa

Leia também: 
Milton Jara, o físico chileno que ‘virou’ matemático brasileiro
Evento no IMPA debate participação feminina na Ciência