Navegar

10 de julho de 2019, 10:14h

Na Folha, os primórdios da informática da Holanda

O primeiro computador da Holanda deixou de funcionar imediatamente após a sua única exibição ao ministro da Educação (foto Gabriel Cabral/Folhapress)

Reprodução da coluna de Marcelo Viana, na Folha de S.Paulo

“Ministro, são três departamentos. O de matemática pura pensa de modo abstrato e acha que é um cubo com 13 dimensões. O de estatística está jogando dados com esse cubo. E o de matemática aplicada escreveu um programa para o computador ARRA simular esse processo.” 

Com este discurso notável, Adriaan van Wijngaarden, diretor de computação do Matematisch Centrum de Amsterdã, apresentou ao seu ministro da Educação o primeiro computador da Holanda.

Leia também: Medalhistas participam de atividades culturais em Salvador
Milton Jara, o físico chileno que ‘virou’ matemático brasileiro
Com sede na Rússia, ICM 2022 já está com site no ar

Até 1948, cálculos complicados eram feitos por mulheres operando calculadoras de mesa. As “computadoras” eram consideradas mais organizadas e mais confiáveis do que os homens. O advento da computação eletrônica ia privá-las dessa opção profissional.

O ministro apertou um botão e o ARRA começou a gerar dados, mas logo travou. Van Wijngaarden não perdeu o rebolado: “Incrível! O cubo está balançando num dos cantos, sem saber para onde cair. Se V. Ex.ª apertar novamente o botão dará uma ajuda.” 

Assim feito, o ARRA retomou o cálculo. Mas foi só o ministro sair, travou de novo e nunca mais funcionou. Quatro anos depois foi substituído.

Apesar do nome, o ARRA II era totalmente distinto, com muitas inovações de hardware e software. Seu principal programador era Edsger Dijskstra, de quem já falei aqui e que faria o doutorado em 1959 sob a orientação de van Wijngaarden. Uma das tarefas do novo computador era calcular a palpitação (vibrações estruturais) dos aviões Fokker —principal causa de quebra das asas das primeiras aeronaves.

Anos depois, Dijkstra fez uma viagem à Austrália, a última parte num Fokker F27. Na chegada, seu anfitrião lamentou tê-lo feito sofrer num avião que balançava tanto. Dijkstra respondeu: “Meu caro, eu senti-me totalmente seguro. Lembre que fui eu que calculei as frequências de vibração das asas!”

Para ler o texto na íntegra acesse o site do jornal ou confira na versão impressa

A Folha permite que cada leitor tenha acesso a cinco textos por mês mesmo sem ser assinante.

Leia também: Jornal Nacional mostra premiação da OBMEP 2018
Matemática inspira ‘O problemão da Banda Infinita’