Navegar

8 de September de 2017, 14:18h

Brasil ganha o maior prêmio possível na Olimpíada de Mayo

O Brasil conquistou mais uma vez a premiação máxima possível nos dois níveis de participação da 23ª Olimpíada de Mayo: uma medalha de ouro, duas de prata, quatro de bronze e três menções honrosas. A edição de 2017 contou com 18 países.

Realizada desde 1995, a olimpíada é disputada por países da América Latina, Espanha e Portugal e objetiva estimular e desafiar estudantes com habilidade matemática, favorecendo relações de amizade e cooperação internacional. A participação brasileira é organizada pela Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM), que, por sua vez, é uma iniciativa do IMPA e da Sociedade Brasileira de Matemática (SBM).

No nível 1, para alunos de até 13 anos, Caio Hermano Maia de Oliveira conquistou a medalha de ouro, com 40 pontos – a prova tem cinco questões, que valem 10 pontos cada. Henrique Alberto Padilha Mendes e Davi Carvalho Mota ganharam prata e Davi Gabriel B. Coutinho, Diego Teixeira Ribeiro, Fernando Yang e Rui Andrade Carvalho Nunes trouxeram bronze. As menções honrosas foram concedidas a Lara Dantas, Yvens Ian Prado Porto e Mariana de Almeida Ferreira.

No nível 2, para alunos de até 15 anos, o ouro foi conquistado por Enzo Pontes Saraiva de Morais, com 30 pontos.  Pedro Gomes Cabral e Samuel Moeller Rayzel ganharam prata. Já as quatro medalhas de bronze foram entregues a Cirilo Max Macedo de M. Filho, Eduardo Quirino de Oliveira, Luis Augusto de Oliveira Sá e Vitor Antunes Alcade.  As menções honrosas foram dadas a Ygor de Santana Moura, Daniel Yamamoto Damico e Wilson Oliveira Guimarães Neto.

Os estudantes fizeram a prova simultaneamente em seus próprios países, no dia 13 de maio (sábado). Depois, elas foram enviadas para comissão organizadora, na Argentina.

No Brasil, a Olimpíada de Mayo é aplicada apenas para alunos premiados na OBM com medalhas de ouro, prata, bronze e menções honrosas ou que tenham sido selecionados pelo coordenador regional.