Navegar

5 de julho de 2019, 16:20h

Matemática inspira ‘O problemão da Banda Infinita’

Qual será a visão que os estudantes têm da Matemática? A julgar pelos desenhos feitos por mais de 120 alunos de escolas públicas da Zona Oeste do Rio, ela é divertida e está presente em situações corriqueiras. Produzido durante pesquisa realizada pelo pedagogo Fredson Araújo, do Museu da Vida, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o material ajudou na criação da peça “O problemão da Banda Infinita”. 

Com entrada gratuita,  a peça estreia neste sábado (6), no Teatro Dulcina, no Centro do Rio. Foi apresentada pela primeira vez no Museu da Vida no ano passado, durante o Biênio da Matemática Brasil 2017-2018, realizado pelo IMPA.

Leia também: As probabilidades de uma britânica se tornar carioca
Apps de navegação começaram como brincadeira
Ivan Passoni defende tese na área de superfícies mínimas

“Eles têm uma visão lúdica, prática, muito relacionada aos jogos e às brincadeiras, ao uso de aparelhos móveis, ao fato de pegar um ônibus e dar o troco, ver as horas e saber quantos anos alguém está fazendo, por exemplo”, fala, sobre os desenhos, a atriz e diretora Letícia Guimarães, em entrevista ao site da Fiocruz.

Na peça, cinco amigos (Artur, Alan, Pati, Tales e Pita), integrantes da Banda Infinita, descobrem, pouco antes do início de um espetáculo, que um dos instrumentos do grupo, a corneta Max-Mega-Super-Ultra-Sonora, sumiu. 

Para encontrá-la, os amigos precisam recorrer à Matemática. Convidam, então, o espectador a participar de uma aventura divertida, embalada a ritmos musicais do Norte (carimbo) e do Nordeste (coco de roda) do país. 

O texto de Rafael Souza-Ribeiro faz várias alusões à Matemática. O nome do grupo, Banda Infinita, é referência à fita ou banda de Möbius, objeto que representa o infinito e é símbolo do IMPA. 

Os personagens têm nome de matemáticos. Um deles se chama Artur, inspirado em Artur Avila, pesquisador extraordinário do IMPA e único brasileiro a ganhar o prêmio máximo da Matemática: a Medalha Fields. No grupo, há também Hipátia de Alexandria (Pati), Tales de Mileto, Pitágoras (Pita) e Alan Turing.

“Esperamos que a peça possa levantar um debate sobre o preconceito que se constrói ao longo da vida em relação à Matemática. Além disso, é um estímulo à cidadania, porque essa área não é só para gênios”, observa Letícia.

Após a concorrida temporada no Museu da Vida, em Manguinhos (Zona Norte), o espetáculo segue para o Centro do Rio (Teatro Dulcina, à Rua Alcindo Guanabara, 17, perto da Estação Cinelândia do metrô). Ficará em cartaz nos finais de semana de julho, sempre às 16h. Em 20 de agosto, “O problemão da Banda Infinita” retornará ao Museu da Vida.

Confira, abaixo, as canções que fazem parte da trilha sonora do espetáculo.

Milonga sideral – SoundCloud | YouTube

Na dança do carimbó – SoundCloud | YouTube

Boi de maré – SoundCloud | YouTube

Coco de diminuir – SoundCloud | YouTube

Banda Infinita – SoundCloud | YouTube

Leia também: Aplicativo do Visgraf integra exposição da Imaginary
Escolas federais têm o melhor desempenho na OBMEP