Navegar

10 de setembro de 2019, 16:28h

Fantástico repercute ajuda para medalhista de Cocal dos Alves

Imagem reproduzida da reportagem do Fantástico

Em edição deste domingo (8), o Fantástico voltou a falar sobre o impacto do corte das bolsas do CNPq para os medalhistas da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), de Cocal dos Alves (PI). Após a primeira reportagem exibida no domingo (1), uma rede de solidariedade se formou para ajudar a aluna Natália Brito Lopes. Centenas de pessoas mandaram e-mail para a produção do Fantástico e para o IMPA querendo ajudar a jovem.   

A reportagem mostrou que Natália, com a ajuda de anônimos, já recebeu o valor equivalente aos quatro anos de bolsa de R$ 400 mensais que ela teria direito ao ingressar na universidade através do Programa de Iniciação Científica e Mestrado (PICME). 

Leia também: A matemática na análise de fenômenos comportamentais
Omar Alvarez defende tese em geometria de Poisson
A Matemática da Inteligência Artificial

Como a quantia foi acima do esperado, a menina decidiu repartir os recursos com alguns colegas. “A bolsa é muito importante para mim. E eu sei que não só para mim, como para outros alunos do colégio também”,contou Natália.

A estudante Vanessa Barreto, colega de Natália que também é medalhista da OBMEP, foi uma das beneficiadas. “A bolsa era a garantia do meu sonho de entrar na faculdade, fazer meu curso e mudar minha realidade”, afirmou Vanessa, que disse ter ficado “arrasada” com a notícia dos cortes do CNPq.

A reportagem também abordou o corte de 5.613 bolsas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). No total, a CAPES vai deixar de oferecer mais de 11 mil bolsas só neste ano, além de não aceitar novos pesquisadores. A proposta de orçamento para 2020 apresentada pelo governo há duas semanas pretende reduzir em quase 50% as verbas da agência de fomento. 

Confira a reportagem na íntegra

Leia também: Rio custeará bolsas do PIC e PICME de medalhistas no Estado
‘Não há progresso sem Matemática’, diz pesquisador