Navegar

3 de julho de 2019, 10:30h

Apps de navegação começaram como brincadeira

Aplicativo de localização Waze – Nir Elias / Reuters

Reprodução da coluna de Marcelo Viana, na Folha de S.Paulo

Quando o holandês Edsger Dijkstra preencheu os papéis para casar com sua noiva, Maria, indicou como profissão “programador de computador” , mas autoridades recusaram. Elas tinham alguma razão: em 1957 havia pouquíssimos computadores —um único em toda a Holanda— e a programação não existia. Dijkstra teve que se casar como matemático mesmo.

O primeiro computador holandês que funcionava, o ARRA II, havia sido construído no Mathematisch Centrum de Amsterdã em 1952, ano em que Dijkstra foi contratado. Mas em 1956 foi substituído pelo ARMAC, 50 vezes mais rápido, e pediram que Dijkstra fizesse uma demonstração para o público leigo das maravilhas que a nova máquina podia fazer.

Leia também: As probabilidades de uma britânica se tornar carioca
IMPA abre seleção para o cargo de especialista em TI 
Na Folha de S.Paulo, o segredo para ganhar no jogo

Era um enorme desafio: ele precisava encontrar um problema que todo mundo entendesse, difícil para humanos, mas que o computador resolvesse rapidamente. Escolheu tratar da questão de encontrar o caminho mais curto, por estrada, entre duas cidades. Mas para isso precisava saber como resolver e como programar a solução no ARMAC.

Após semanas tentando, a descoberta veio enquanto tomava um café com Maria. “O algoritmo para o percurso mínimo foi concebido em 20 minutos, sem papel nem lápis” , contou depois. A apresentação foi um sucesso: Dijkstra pedia que alguém do público escolhesse duas cidades, apertava um botão e (apenas!) um minuto depois o computador dava o itinerário mais curto entre elas. Ninguém jamais vira isso. 

O ARMAC virou sucata, mas o algoritmo de Dijkstra tem inúmeras aplicações nos nossos dias. Ele está na origem dos aplicativos de navegação que usamos para dirigir e também regula o modo como os servidores da internet conversam entre si, otimizando as ligações entre dois pontos quaisquer. O próprio Dijkstra aplicou ideias parecidas ao desenho de circuitos eletrônicos, minimizando a quantidade de material e o tempo de comunicação entre as partes.

Para ler o texto na íntegra acesse o site do jornal ou confira na versão impressa

A Folha permite que cada leitor tenha acesso a cinco textos por mês mesmo sem ser assinante.

Leia também: OBMEP na Escola é mostrado em reportagem na GloboNews
SBMAC premia Campolina por melhor Dissertação de Mestrado