Navegar

15 de outubro de 2019, 16:14h

Aos 67, IMPA mira expansão e universalização da OBMEP

Ao completar 67 anos de fundação, nesta terça-feira (15), o IMPA olha para o futuro, mirando sua expansão física e a universalização da OBMEP. Nestas seis décadas desde que fora criado pelos matemáticos pioneiros Lélio Gama (1892-1981), Leopoldo Nachbin (1922-1993) e Maurício Peixoto (1921-2019), em 1952, o instituto se consolidou como destacado centro de pesquisa de Matemática.

Para Marcelo Viana, diretor-geral do IMPA, a casa segue firme em seus objetivos. “Fazer pesquisa de vanguarda, formar pesquisadores e disseminar o conhecimento matemático na sociedade brasileira. A missão do IMPA continua tão relevante, e urgente, quanto era 67 anos atrás.”

Leia também: Visgraf participa de simpósio de música computacional
‘Matemática induz as pessoas ao pensamento lógico’, diz Ramos
As origens e os avanços da Matemática indiana

A promoção do Brasil Grupo 5 da União Matemática Internacional, cuja candidatura foi liderada pelo IMPA e pela Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), em 2018, é uma prova de que seu prestígio também atinge patamares internacionais. 

A inédita conquista da Medalha Fields –  mais prestigiosa distinção da matemática mundial – pelo brasileiro Artur Avila, pesquisador e doutor formado no IMPA; a organização da Olimpíada Internacional de Matemática no Rio de Janeiro (IMO), em 2017; e a realização do primeiro Congresso Internacional de Matemáticos (ICM) no Hemisfério Sul, em 2018; são conquistas recentes que reafirmam o progresso do IMPA no curso de sua história.

Composto por um corpo permanente de 44 pesquisadores, o instituto sempre prezou por critérios rigorosos de seleção na contratação de pesquisadores como de pós-doutores e estudantes. 

Jacob Palis, pesquisador emérito do IMPA, recebeu três importantes prêmios científicos nos últimos dois anos: o Abdus Salam Awar; a Medalha Henrique Morize, da Academia Brasileira de Ciências; e a condecoração da Legião de Honra Francesa. Viana foi agraciado neste ano com o Prêmio CBMM de CIência e Tecnologia, e foi o primeiro brasileiro e matemático a receber Prêmio Louis D., do Institut de France, em 2016, entre outras distinções.

Em 2017, o IMPA foi representado no Prêmio Sociedade Brasileira de Matemática com a conquista do pesquisador Robert Morris, pelo artigo “Independent sets in Hypergraphs”. Artur Avila já havia conquistado a honraria em sua primeira edição, no ano de 2013, com o artigo “On the regularization of conservative maps”. De quatro prêmios da SBM, dois foram para pesquisadores do IMPA. Neste ano, o prêmio da SBM foi para a italiana Luna Lomonaco, que passa a integrar o corpo de pesquisadores do instituto a partir de 2020.

Portaria de criação do IMPA

Olimpíadas

Quando o assunto é IMPA, impossível não citar também a OBMEP. A competição leva o ensino da Matemática a todos os Estados brasileiros, em consonância com a missão do instituto de difundir a cultura matemática pelo país. São 18,2 milhões de crianças e adolescentes que, por meio da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas, acessam um ambiente de aprendizagem.

Em 2019, a delegação brasileira enviada para a Olimpíada Europeia Feminina de Matemática (EGMO, na sigla em inglês), conquistou um ouro inédito na competição. Por iniciativa do IMPA e da SBM, o Brasil participa desde 2017 da olimpíada e já coleciona 9 medalhas e uma menção honrosa.  Inspirado na EGMO, o IMPA organiza neste mês a primeira edição do Torneio Meninas na Matemática. O objetivo é incentivar a participação feminina em olimpíadas científicas.

Para tantas atividades e pesquisas, a sede do Horto ficou pequena. Um novo campus, em terreno contíguo à sede atual, está sendo construído. A área edificada terá pouco mais de 8.000 m² e incluirá auditórios, gabinetes para pesquisadores e alunos, biblioteca, salas de aula e dormitórios. 

História

Criado em 15 de outubro de 1952, o IMPA foi a primeira unidade de pesquisa do Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq), agência federal de fomento fundada apenas um ano antes. À época, o instituto não dispunha de sede, e foi alojado, inicialmente, em uma sala no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), na Praia Vermelha, Zona Sul do Rio.

A organização do 1º Colóquio Brasileiro de Matemática, com cerca de 50 participantes, em 1957, representou um marco na contribuição do IMPA para o desenvolvimento da Matemática brasileira como um todo. 

Em 1962, começaram os programas de mestrado e doutorado em Matemática, por meio de um convênio firmado com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Seis anos depois, com apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (hoje BNDES) e, posteriormente, da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), além do CNPq, o IMPA ampliou seus quadros, com a contratação de pesquisadores em atividade no exterior ou em fase final de doutorado nas melhores instituições estrangeiras.

Em 1981, foi inaugurada a primeira sede do IMPA. Localizada no Horto, a edificação abriga o instituto até hoje. 

Desde seu início, o IMPA teve por missão o estímulo à pesquisa científica, a formação de novos pesquisadores e a difusão e aprimoramento da cultura matemática no Brasil. Estas atividades que visam promover o conhecimento da matemática, fundamental ao desenvolvimento das ciências e da tecnologia em geral.

Leia também: ‘A Matemática é como um jogo’, diz Sergio Chion Aguirre
Como a trigonometria está por trás da navegação por GPS