Navegar

1 de novembro de 2019, 18:25h

Visgraf celebra aniversário de 30 anos em evento no IMPA

Vídeo da mesa-redonda do evento de 30 anos do Visgraf

O Visgraf (Laboratório de Computação Gráfica do IMPA) completa 30 anos olhando para o futuro. Em evento realizado no instituto nesta sexta-feira (1), pesquisadores e colaboradores se reuniram para lembrar das origens do Visgraf e pensar nos próximos passos.

“Essa comemoração é sobre as pessoas e seu legado. Quando o IMPA abriu espaço para a criação do Visgraf, a primeira coisa que procuramos foi seguir o padrão do instituto e nos tornar o melhor grupo de computação gráfica do mundo. E hoje nós somos um dos melhores grupos de computação gráfica do mundo. E isso se deve às pessoas”, disse Luiz Velho, fundador e pesquisador líder do Visgraf. 

Leia também: Brasil sedia a 9ª OMCPLP a partir de domingo (3)
Pós-doutorando pesquisa natureza fractal da música
OBM divulga lista de convidados para a 41ª edição

O matemático Jonas Gomes, membro do Conselho de Administração do IMPA e fundador do grupo, falou sobre o processo de criação do Visgraf. “Era uma oportunidade de olhar para a computação gráfica sob a perspectiva da Matemática. Como poucas pessoas faziam isso na época, quase não existia literatura adequada, nós tivemos que escrever todos os textos para poder adequá-los ao modelo matemático”, contou.

As origens do Visgraf remontam ao Programa de Verão de 1989, com o então inédito minicurso “Introdução à Computação Gráfica”, ministrado por Jonas Gomes e Luiz Velho. A adesão ao curso foi tamanha que os dois amigos começaram a desenvolver a nova linha de pesquisa no IMPA. 

Na mesa-redonda, o pesquisador aposentado do IMPA Paulo Cezar Carvalho, que atualmente leciona na Escola de Matemática Aplicada da Fundação Getúlio Vargas (EMAp-FGV), pontuou a cooperação com a  PUC-Rio durante os primeiros anos do Laboratório. “Era uma relação quase simbiótica, que se tornou um dos aspectos mais positivos e prazerosos da fundação do Visgraf”, comentou Carvalho, que parabenizou os pesquisadores do IMPA Luiz Velho e Diego Nehab por manterem o projeto do Laboratório firme.

Mesa-redonda com Jonas Gomes, Diego Nehab, Luiz Velho, Luiz Henrique de Figueiredo, Paulo Cezar Carvalho

Para Nehab, também pesquisador do Visgraf, um dos maiores compromissos do grupo é atração de alunos. “Os melhores trabalhos de computação gráfica têm tanto a computação quanto a Matemática bem aprimoradas. Por isso o esforço em ensinar a alunos de engenharia e de computação a Matemática e ensinar a computação aos alunos de Matemática”.

Primeiro aluno de doutorado do Visgraf e pesquisador do Laboratório desde 2001, Luiz Henrique de Figueiredo ressaltou o apreço dos criadores pela excelência . “Eu vi nascer o Visgraf do ponto de vista do aluno. Pude ver o esforço do Jonas e do Luiz no processo de criar um conjunto de livros, eventos e atividades para que os alunos pudessem ter uma base em Matemática com a aderência necessária para a computação gráfica. Isso me ensinou a coisa que mais aprendi no Visgraf, que foi a busca por excelência”.

Ao encerrar a mesa-redonda, Luiz Velho falou sobre o futuro. “Os pesquisadores do Visgraf são pessoas especiais, cada um com competências que se complementam. A Matemática está chegando em um limiar para uma nova Matemática, a cognitiva. Por isso, afirmamos que nosso grupo é de Matemática Aplicada Computacional para novas mídias, pois temos todos os elementos para enfrentar este novo desafio. Estamos começando a fazer o futuro disso e, como cientistas, temos o dever de fazer isso direito”.    

Além da mesa redonda com os pesquisadores, o evento que marcou os 30 anos do Visgraf teve apresentação de posters, exibição de vídeos com alguns trabalhos desenvolvidos e um coquetel de comemoração.

Leia também: Viana detalha avanços da Matemática brasileira no ICMC
Campo Elias defende tese em equilíbrio geral