Navegar

15 de dezembro de 2017, 06:19h

Olimpíada também descobre professores de excelência

A Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep), criada pelo Impa em 2005, movimenta a cada ano mais de 18 milhões de jovens em praticamente 100% dos municípios brasileiros. Isso faz dela a maior competição escolar do mundo. Em 2017 ficou ainda maior, com a adesão das escolas particulares.

A Obmep tem como metas incentivar o estudo da matemática e descobrir talentos, em todo o território nacional e em todos os estratos sociais.

Leia também: As soluções harmônicas de Mateus Sousa para a Matemática

Linares e Morris são eleitos para Academia Brasileira de Ciências

IMPA conquista Prêmio Jatobá de Comunicação Corporativa

O impacto da Olimpíada e dos programas de formação que a acompanham – Programa de Iniciação Científica (PIC), Programa de Iniciação Científica e Mestrado (Picme), Polos Olímpicos de Treinamento Intensivo (Poti) e Obmep na Escola – nos estudantes está amplamente comprovado por estudos independentes.

Uma avaliação conduzida em 2014, por Francisco Soares (UFMG e ex-presidente do Inep), comprovou que escolas com envolvimento ativo na Obmep apresentam uma melhora média de 26 pontos na Prova Brasil.

É como se oferecessem a seus alunos 1,5 ano extra de escolaridade!

O mais importante: esta melhora diz respeito a todos os alunos dessas escolas, não apenas aos premiados.

Esse mesmo ponto é ressaltado na tese de doutorado defendida recentemente na renomada Universidade Harvard pela professora Diana Moreira, da Universidade da Califórnia.

Diana descobriu que o efeito de ser premiado na Obmep beneficia o desempenho não apenas do ganhador, mas também de seus colegas de turma.

Para ler o texto na íntegra acesse o site do jornal:

 A Folha permite que cada leitor tenha acesso a dez textos por mês mesmo sem ser assinante.