Navegar

8 de agosto de 2018, 17:19h

Medalhista Chern apresenta estudo no ICM

Para uma plateia cheia, o ganhador da Medalha Chern, Masaki Kashiwara, apresentou a palestra “Crystal bases and categorifications”, na qual fez um panorama da evolução dos modelos de mecânica estatística de duas dimensões. Pesquisador há 50 anos, Kashiwara ajudou a fundar a análise algébrica, ao desenvolver o conceito de D-modules, fazendo uma ponte fundamental entre as áreas da teoria da representação e a combinatória.

Na primeira parte da palestra, o pesquisador demostrou suas descobertas sobre a base cristalina, ou base canônica, no anos 90. As bases cristalinas revelam o núcleo de estruturas matemáticas complexas (representadas como matrizes atuando sobre espaços vetoriais) como gráficos e estão relacionadas aos grupos quânticos.

Leia também: “Há um aspecto informal na Matemática que ajuda a pensar”
Geordie Williamson fala sobre a teoria da representação
Pesquisador destaca “liberdade de escolha” na Matemática

“É como se fosse se ele fosse um físico contribuindo na Matemática, fazendo uma ponte entre duas áreas muito diferentes. Antes dele, não se imaginava que isso seria possível e, mesmo que fosse imaginado, ninguém pensaria que seria algo tão poderoso”, empolgou-se o pesquisador de Oxford Kevin McGerty.

 A segunda parte da apresentação foi dedicada a tema novo sobre o qual Kashiwara vem se debruçando, também na área de cluster algebra. “É uma ideia nova e muito surpreendente. O [artigo] mencionado é muito significativo e acho que ainda é subestimado”, disse Geordie Henderson, da University of Sydney, especialista na teoria da representação, palestrante no ICM 2018 na manhã desta quarta-feira (8).

Kashiwara, professor emérito da Universidade de Quioto, tem sido reconhecido por suas descobertas. Ele ganhou os prêmios Iyanaga (Sociedade Matemática do Japão, em 1981), Asahi (1988), Academia Japonesa (1988) e Quioto de Matemática (2018).

A Medalha Chern é concedida a cada quatro anos nos Congressos Internacionais de Matemáticos em reconhecimento ao trabalho de pesquisa que tenha contribuído com realizações matemáticas extraordinárias. Além da medalha de ouro 24 quilates, o vencedor recebe US$ 500 mil, dos quais US$ 250 mil são destinados ao financiamento de uma entidade indicada pelo premiado, a fim de apoiar a pesquisa, a educação e programas de extensão na área da Matemática.