Navegar

1 de abril de 2019, 11:10h

Miguel Ibieta defende tese sobre subvariedades Euclidianas

 

Mesmo com mãe matemática e pai engenheiro, o boliviano Miguel Ibieta Jimenez nunca se sentiu pressionado a construir uma carreira científica. Desde o princípio, o gosto pelos números veio com naturalidade. Com a participação em olimpíadas locais, nas quais foi premiado algumas vezes, percebeu que era mais do que simples interesse; queria mergulhar fundo na Matemática.

Nesta terça-feira, Ibieta compartilha os resultados da imersão com a defesa da tese “Bendings infinitesimais genuínos de subvariedades Euclidianas”, às 10h, no IMPA.

Leia também: Prêmio Para Mulheres na Ciência está com as inscrições abertas 
Jornal da Ciência destaca participação feminina na OBMEP 
Coluna na Folha: para que serve a ciência de Einstein?

Nas alturas

Talvez tenha sido porque cresceu em Potosí, uma das cidades mais altas do mundo (4.067 metros acima do nível do mar), que Ibieta nunca esteve destinado a voos baixos.

Ao concluir a graduação em Matemática na Universidad Mayor de San Andrés (UMSA), em 2013, Ibieta embarcou, no mesmo ano, em um avião com destino ao Rio de Janeiro. Iniciou seu mestrado na Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói (RJ), e, logo em seguida, veio para o doutorado no IMPA.

Ibieta revela que, embora gostasse de Matemática desde a infância e quisesse seguir carreira na área, só quando colocou os pés na faculdade é que descobriu seu verdadeiro significado.

“A Matemática é importante em nível prático, mas também de forma mais abstrata, já que o rigor da disciplina nos torna mais críticos. Na área de exatas, para um argumento ser válido, precisamos verificar todos os detalhes, checar se o processo lógico das coisas não tem nenhuma falha. Estes aspectos podem ser adaptados para a vida cotidiana, nos fazendo pensar mais sobre o que dizemos e ouvimos. É por isso que devemos estimular o interesse das pessoas pela disciplina”, disse. 

Revisitando um clássico

Situada na área de Geometria Diferencial, a tese de Ibieta discorre sobre uma noção de deformação de subvariedades do espaço euclidiano.

Um exemplo básico dessas deformações pode ser observado ao pegar uma folha de papel e transformá-la em um cilindro, sem dobrar ou rasgar. A geometria intrínseca da folha de papel continua a mesma. O que Ibieta estudou foi uma versão infinitesimal deste tipo de deformações. 

“É um assunto clássico. Os primeiros trabalhos nessa linha foram feitos no começo do século passado. Meu orientador me propôs o tema, eu aceitei e simplesmente fluiu”, recorda. Ele acrescenta que recebeu muito apoio de Marcos Dajczer, o que fez a experiência de desenvolver a tese se tornar ainda melhor.

Ao ser questionado sobre os planos após a defesa, Ibieta brinca: “vou encarar o desemprego”. Logo em seguida, torna pública a verdadeira intenção; planeja se dedicar a um pós-doutorado.

SERVIÇO:
Defesa de tese de Miguel Ibieta Jimenez
“Bendings infinitesimais genuínos de subvariedades Euclidianas”
Data: 2 de abril | Horário: 10h | Local: sala 228

Leia também: Karen Uhlenbeck é a primeira mulher a receber o Abel Prize
Pela Matemática, Argenis García se aproximou do mar