Navegar

30 de julho de 2019, 16:29h

Luna Lomonaco é a primeira mulher a conquistar Prêmio SBM

Especialista em Sistemas Dinâmicos, a italiana Luciana Luna Lomonaco é a primeira mulher a conquistar o Prêmio SBM de Matemática. Professora do Instituto de Matemática e Estatística (IME) da Universidade de São Paulo (USP), a partir de 2020 ela passará a integrar o corpo científico do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA). 

Luna ganhou o prêmio da Sociedade Brasileira de Matemática (SBM) 2019 pelo trabalho “On Quasi-Conformal (In-)Compatibility of Satellite Copies of the Mandelbrot Set: I”, publicado, em 2017, na  Inventiones Mathematicae 210. Além de diploma e prêmio de R$ 20 mil, o vencedor é convidado a proferir palestra plenária no Colóquio Brasileiro de Matemática (CBM), realizado no IMPA.

Leia também: ‘O primeiro Colóquio a gente nunca esquece’ diz Viana
Alicia Dickenstein faz primeira palestra plenária do Colóquio
Encontro propõe iniciativas em prol da diversidade

Após receber o prêmio das mãos do presidente da SBM, Paolo Piccione, Luna falou sobre “a imensa honra” de ter recebido a distinção e as dificuldades para entrar e se manter na carreira de pesquisadora em Matemática. “Nunca imaginei que chegaria até aqui, pois não foi nada fácil. Nesses 15 anos e muitos de vida, estive muito perto de desistir”, declarou, enfatizando a importância do apoio das pessoas que acreditaram que ela seria capaz. 

Luna agradeceu a comunidade brasileira de matemática, “pela acolhida”; à SBM, pelo prêmio: e aos pais dela e contou à plateia que chegou ao Rio de Janeiro no domingo, ainda a tempo de acompanhar o segundo e último dia do Encontro Brasileiro de Mulheres Matemáticas, realizado este fim de semana no IMPA.

“Foi uma experiência muito forte, pois ouvi muitas histórias parecidas com a minha”, confessou, dedicando o Prêmio SBM 2019 a todas as mulheres matemáticas.

Concedido a cada dois anos pela SBM durante o Colóquio, o prêmio foi criado para distinguir o melhor artigo original de pesquisa em Matemática publicado recentemente por um jovem pesquisador residente no Brasil. As indicações são feitas por qualquer pesquisador ou docente de instituição nacional de ensino e pesquisa.

Ganhadora do L’óreal-Unesco-ABC “Para Mulheres na Ciência” 2018 – criado para promover a igualdade de gênero no ambiente científico – Luna estuda um dos fractais mais conhecidos, intitulado Conjunto de Mandelbrot, e suas cópias dentro e fora do objeto geométrico.  

Nascida em Milão, na Itália, e criada na Europa, onde também fez boa parte de seus estudos – graduou-se (2007) na Univesità degli Studi di Padova, mestrado na Universitat de Barcelona (2009) e doutorado na Roskilde University (2012).

O artigo de Luna foi selecionado pela comissão formada pelos professores Noga Alon (Tel Aviv University e Princeton University), Vaughan Jones (Vanderbilt University), Richard Schoen (University of California-Irvine), Stanislav Smirnov (Université de Genève) e Paolo Piccione (USP), presidente da SBM. Foram considerados os critérios de originalidade, relevância, profundidade e potencial de impacto no desenvolvimento da respectiva área.

Nas quatro edições já realizadas, dois pesquisadores do IMPA foram premiados: em 2013, Artur Avila ganhou com “On the regularization of conservative maps”, artigo publicado na Acta Mathematica 205 (2010); e em 2017, o vencedor foi Robert Morris, autor de “Independent sets in hypergraphs”, divulgado no Journal of the American Mathematical Society, volume 28 (2015). 

Leia também: Visgraf cria site para comemorar aniversário de 30 anos
Brasil é berço de pelo menos 27 espécies de dinossauros