Navegar

28 de agosto de 2019, 12:03h

Equilíbrio é essencial desde que acompanhado de improvisação

Gabigol comemora gol do Flamengo – Imagem: Alexandre Vidal/Flamengo

Reprodução da coluna de Tostão, na Folha de S.Paulo

O matemático Marcelo Viana, em um artigo na Folha na quarta-feira (21) com o título “O mundo é feito de simetrias”, escreveu que as simetrias estão presentes nos seres vivos, nos minerais, na física, na pintura, na música e em todos os outros tipos de arte.

Uma das grandes experiências humanas, psicológicas, é quando a criança descobre sua imagem no espelho. É o esboço do ego.

A simetria está presente também no futebol. Há, em cada equipe, na prancheta, didaticamente, de cada lado, um zagueiro, um lateral, um volante, um meia ou um ponta e um atacante.

Leia também: Novello usa a realidade virtual para ver espaços matemáticos
Marcelo Viana recebe Prêmio CBMM por contribuição à ciência
Elio Gaspari defende programas de Iniciação Científica da OBMEP

Os dois atletas de cada posição costumam ter características complementares, simétricas.

Geralmente, um zagueiro viril e outro clássico; um lateral mais apoiador e outro mais marcador; um primeiro e um segundo volantes (um para desarmar e outro mais hábil); um ponta ou um meia pelo lado, mais veloz, e outro mais construtor; e um atacante mais fixo (centroavante) e outro que se movimenta mais. O goleiro de um time é o duplo do goleiro do outro.

A busca pela simetria deve ter sido a razão de os ingleses, descobridores do futebol, terem decidido que seriam dez de cada lado, cinco duplas de dois, além dos dois goleiros.

No futebol, é essencial a simetria, a harmonia, o equilíbrio, desde que acompanhados por momentos de flexibilidade, de improvisação, de inventividade e de linhas tortas e curvas. A linha reta não sonha.

As decisões é que precisam ser feitas corretamente, no momento certo, e serem bem executadas. Lances inesperados, surpreendentes, são fundamentais, importantes e decisivos, como o petardo de Gustavo Scarpa, no gol do Palmeiras contra o Grêmio.

A bola, em alta velocidade, parecia dar cambalhotas, até entrar no gol. Escutei, várias vezes, que o goleiro falhou. Nem Alisson defenderia. Penso, ainda, que os goleiros costumam ser mais criticados que deveriam.

Um dos destaques do Flamengo é a ampla movimentação dos quatro jogadores mais adiantados. Possuem referências (Gabigol e Bruno Henrique, pelo centro, e Éverton Ribeiro, Arrascaeta ou Gérson, pelos lados, que voltam para marcar), mas não param de correr. Ocupam todas as posições de ataque. É uma anarquia harmônica.

No segundo gol contra o Inter, Gabigol e Bruno Henrique estavam próximos, pelo centro, formando uma dupla de atacantes. Gabigol deu o passe para Bruno Henrique.

Enquanto isso, o eficiente, simétrico, harmônico e equilibrado time do Inter, que pouco improvisa, tentava repetir, contra o Flamengo, a mesma estratégia dos jogos fora de casa na Copa do Brasil, contra o Palmeiras, quando perdeu por 1 a 0, e contra o Cruzeiro, quando venceu por 1 a 0. Dessa vez, não deu certo. Perdeu por dois gols de diferença. Faltou ao Inter lances surpreendentes.

Palmeiras e Flamengo têm mais chances de passar à semifinal da Libertadores, mas nada está decidido.

Para ler o texto na íntegra acesse o site do jornal ou confira na versão impressa

Leia também: Programa OBMEP na Escola tem os locais de prova divulgados
Os matemáticos acharam todas as simetrias