Navegar

26/06/2020

Luiz Velho: Futuro caminha para a convergência de mídias

Em um momento no qual a sociedade atravessa grandes mudanças provocadas pela pandemia do novo coronavírus, é comum perguntar-se: para aonde vamos? Neste contexto, a expressão “novo normal” vem ganhando popularidade em discussões que tentam mitigar os impactos da pandemia para o futuro. Em painel realizado nesta, sexta-feira (26), durante a 6ª edição do VFXRio, o pesquisador-líder do Visgraf (Laboratório de Computação Gráfica do IMPA), Luiz Velho, falou sobre possíveis caminhos para a mídia e a comunicação. O encontro virtual foi mediado por Liana Brazil, arquiteta e cofundadora do estúdio experimental Superuber, e também contou com a participação de Gabriel Pinto, autor e pesquisador em Criatividade, Futuro do Trabalho e Inovação.

“Neste período de distanciamento social, a necessidade de comunicação está sendo potencializada por uma mediação que tende a ficar cada vez mais inteligente. Temos uma série de novidades que viabilizam a criação de novos conteúdos, o que não era possível fazer antes. Estamos sendo pressionados a mudar o mundo de forma criativa e para o bem”, afirmou Velho.

Leia também: ‘Matemática é uma condição de cidadania’, diz Viana ao MyNews
Clara Lage defende tese de doutorado na quinta-feira (25)
Na Folha, Viana pergunta: ‘A matéria é feita de quê?’

O pesquisador-líder do Visgraf apresentou um arcabouço de elementos da comunicação que considera fundamentais para a compreensão da área, com base no trabalho do intelectual, filósofo e teórico da comunicação Marshall McLuhan (1911-1980). Na percepção dele, o audiovisual, a realidade virtual e a realidade aumentada devem convergir, no futuro, para um novo tipo mídia: XR, ou realidade estendida.

“No Visgraf já trabalhamos com a convergência destas novas mídias. Destaco dois projetos que temos em parceria com o Future Reality Lab da Universidade de Nova Iorque que são o ‘Cave’, uma peça de teatro em realidade virtual, e o ‘As aventuras de Lilith and Wood, que mistura teatro de bonecos com realidade virtual e realidade aumentada.” As aplicações destas novas tecnologias não se limitam ao campo do entretenimento, como também podem ser aplicadas no comércio, em áreas científicas e na medicina, completou o pesquisador.

Gabriel descreveu o cenário atual como uma “aventura” que, como qualquer situação inédita, traz consigo grandes desafios para a população. Um deles é a adaptação. “Durante minha pesquisa sobre mercado de trabalho ficou claro que quando o ser humano não está preparado para mudar é duro e desgastante”, destacou. “Mas a inovação é a melhor estratégia para uma situação que traz uma porção de desafios.”

A computação em nuvem, evidenciada pelo trabalho remoto, apresentou uma gama de novas possibilidades às empresas. “A computação em nuvem está entre as quatro prioridades de tecnologias que vão receber investimento das empresas até 2021. Se hoje a gente vê um movimento de pessoas se mudando para fora das grandes cidades do país, daqui a pouco começaremos a ter novos colegas de trabalho, de outros continentes. Aumentam as possibilidades de colaboração.”

A VFXRio segue com programação até sábado (27). As inscrições são gratuitas e abertas ao público

Leia também: Ex-aluna do IMPA integra lista de 35 jovens inovadores do MIT
Jovem resolve problema sem resposta há meio século