Navegar

17 de outubro de 2018, 15:47h

Vincent Lafforgue é o vencedor do Prêmio Breakthrough 2019

 

O Breakthrough, prêmio anual de ciência patrocinado por alguns dos profissionais mais conhecidos do Vale do Silício — Sergey Brin, Priscila Chan e Mark Zuckerberg, Ma Huateng, Yuri e Julia Milner e Anne Wojcicki —, anunciou os vencedores de 2019. O matemático francês Vincent Lafforgue, pesquisador do CNRS (Centro Nacional de Pesquisa Científica, França) e do Instituto Fourier (Universidade de Grenoble Alpes, França), foi o vencedor da categoria principal de Matemática.

Nesta edição, o “Oscar da Ciência” distribuirá US$ 22 milhões aos nove pesquisadores pelas importantes realizações em Ciências da Vida, Física Fundamental e Matemática. Os vencedores das principais categorias receberão, cada um, US$ 3 milhões, enquanto os seis ganhadores da categoria Novos Horizontes, que premia pesquisadores em início de carreira, receberão US$600 mil.

Leia também: Ideia de instituto fora da universidade causou resistência
Coluna na Folha: Professor, escultor de almas e destinos
Quando foi criado, em 1952, IMPA nem sequer tinha sede

A cerimônia de premiação acontecerá em 4 de novembro, na sede da NASA Ames Research (EUA), e será apresentada pelo ator irlandês Pierce Brosnan, famoso por interpretar o personagem James Bond (o detetive 007) no cinema. A festa será transmitida nas páginas do Facebook e YouTube do Prêmio Breakthrough e da National Geographic.

O matemático e físico Stephen Hawking, morto em março deste ano, será homenageado no evento. Em 2013, ele recebeu o Prêmio Especial de Física Fundamental pela descoberta de que os buracos negros emitem radiação e pelas contribuições para a compreensão da gravidade quântica.

Matemática

Vincent Lafforgue foi reconhecido pela atuação inovadora em áreas da Matemática, em particular o programa Langlands. Ele foi plenarista do ICM 2018 (Rio de Janeiro), com a palestra “Global Langlands parameterization and shtukas for reductive groups”, sobre os desenvolvimentos recentes no programa Langlands para campos de funções. É irmão do matemático Laurent Lafforgue, Medalha Fields em 2002.

Na categoria Novos Horizontes, foram premiados o matemático chinês Chenyang Xu, o alemão Karim Adiprasito, o coreano-americano June Huh, a finlandesa Kaisa Matomäki e a canadense Maksym Radziwill.

Xu, pesquisador do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (EUA) e do Centro Internacional de Pesquisa Matemática de Pequim (China), foi reconhecido pelos avanços no programa modelo mínimo e pelas aplicações aos módulos de variedades algébricas.

Adiprasito, da Universidade Hebraica de Jerusalém (Israel), e June Huh, do Instituto de Estudos Avançados, ganharam o prêmio em conjunto pelo desenvolvimento, com Eric Katz, da teoria combinatória de Hodge, levando à resolução da conjectura log-concavidade de Rota.

Já a dupla Kaisa, da Universidade de Turku, e Maksym, do Instituto de Tecnologia da Califórnia (EUA), foram reconhecidas pelos avanços fundamentais na compreensão de correlações locais de valores de funções multiplicativas.

Conheça os vencedores das outras categorias:

Prêmio inovador em Ciências da vida

C. Frank Bennett, do Ionis Pharmaceuticals, e Adrian R. Krainer , do Cold Spring Harbor Laboratory, pelo desenvolvimento de uma terapia oligonucleotídica antessentido eficaz para crianças com a doença neurodegenerativa atrofia muscular espinal;

Angelika Amon, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts e Instituto Médico Howard Hughes, por determinar as consequências da aneuploidia, um número cromossômico anormal resultante da má segregação do cromossomo;

Xiaowei Zhuang, da Universidade de Harvard e Instituto Médico Howard Hughes, por descobrir estruturas ocultas em células, desenvolvendo imagens de superesolução – método que transcende o limite de resolução espacial fundamental da microscopia de luz;

Zhijian “James” Chen, do Centro Médico do Sudoeste da Universidade do Texas e do Instituto Médico Howard Hughes, por elucidar como o DNA desencadeia respostas imunes e autoimunes do interior de uma célula através da descoberta da enzima sensível ao DNA.

Prêmio Inovador em Física Fundamental

Charles Kane e Eugene Mele, da Universidade da Pensilvânia, por apresentar novas ideias sobre topologia e simetria na física, levando à previsão de uma nova classe de materiais que conduzem eletricidade apenas em sua superfície.

Prêmio Especial de Inovação em Física Fundamental

Jocelyn Bell Burnell, da Universidade de Dundee e Universidade de Oxford, pelas contribuições fundamentais à descoberta de pulsares e por uma vida de liderança inspiradora na comunidade científica.

Prêmio Novos Horizontes em Física

Brian Metzger, da Universidade de Columbia, pelas previsões pioneiras do sinal eletromagnético de uma fusão de estrelas de nêutrons, e para a liderança no campo emergente da astronomia multimensageiro.

Rana Adhikari, do Instituto de Tecnologia da Califórnia e Lisa Barsotti e Matthew Evans, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, por sua pesquisa em detectores terrestres atuais e futuros de ondas gravitacionais.

Daniel Harlow, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Daniel L. Jafferis, da Universidade de Harvard, e Aron Wall, da Universidade de Stanford, pelos insights fundamentais sobre informação quântica, teoria quântica de campos e gravidade.

Leia também: IMPA completa 66 anos de existência e de sucesso
Programas temáticos podem receber até R$ 200 mil
IMPA abre concurso para contratar pesquisador