Navegar

Um pouco do Brasil nos Cursos de Verão do IMPA

Anne Beatriz Cardoso de Sousa, adolescente piauiense de 14 anos, esconde seu talento na Matemática atrás da timidez e da voz baixinha. Ela ganhou dois ouros na OBMEP e teve a melhor nota de toda a Região Nordeste em sua primeira olimpíada, em 2014. Também foi premiada na competição Canguru de Matemática e recebeu outro ouro na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica.

Ela é uma dos 546 alunos de 20 estados e 13 países que estão no IMPA para os Cursos de Verão.

O desejo de Anne, como o de muitos desses estudantes, é ser pesquisadora do IMPA. Seu tio Antônio Marcos de Oliveira – professor Cálculo e Álgebra na UESPI (Universidade Estadual do Piauí) -, que a acompanhou ao Rio, diz que “ela deixa de fazer qualquer coisa para assistir a aulas de Matemática”. Além de assistir às aulas de nível universitário que Antônio leciona, Anne faz reforço com outro tio e participa do projeto chamado “Viva a Geometria”, do professor da rede estadual do Piauí Webert Ney.

Uma das estrelas dos Curso de Verão é o sergipano Lucas Aragão, 18 anos, primeiro colocado geral na Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM) de 2016 no nível universitário. Recém-formado em Matemática pela UFS (Universidade Federal de Sergipe), o jovem de Aracaju veio fazer Mestrado no IMPA após diversas medalhas. Ele já havia ganhado outros três ouros e duas pratas na OBMEP, entre 2009 e 2013.

“No colégio, não havia problemas instigantes. Minha média de Matemática na escola era 9.9. Foi na Olimpíada e na faculdade que vi como a Matemática podia ser legal”, disse Lucas, que ainda não sabe o que pretende cursar no IMPA. Como muitos, ele se desenvolveu na Matemática graças a um professor especial. Foi aluno do projeto de Valdemberg Araújo, da Universidade Federal de Sergipe (UFS), coordenador da OBM naquele estado. O docente organiza grupos de estudo para jovens matemáticos promissores. O trabalho tem dado tão certo que o futuro mestrando não foi o único sergipano a vir para o Curso de Verão do IMPA. Colega de quarto de Lucas no Rio, o estudante do Colégio Master em Aracaju Felipe Bonfim, 16 anos, foi mais um jovem que se desenvolveu nas aulas de Valdemberg.

No Curso de Verão, que vai até o fim de fevereiro, os alunos têm aulas três vezes por semana e três provas finais. Muitos não ficam até o fim. “O nível de cobrança é altíssimo aqui”, afirmou Guilherme Feltes, 20 anos, programador e estudante de Matemática na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Os estudantes vibram com a oportunidade de ter contato com profissionais renomados da Matemática. “É um privilégio estar perto dos caras mais inspiradores na área, como o Artur Ávila, o Carlos Gustavo Moreira (Gugu), entre outros”, disse o gaúcho, medalhista da OBMEP e ex-bolsista do PIC (Programa de Iniciação Científica) nos anos de 2009, 2011 e 2012. Guilherme revela que a primeira coisa que quis fazer após entrar na faculdade era o Curso de Verão do IMPA.