Navegar

26 de julho de 2018, 17:45h

Tese analisa processos de recuperação de petróleo

 

Karine Rodrigues

Os bilhões movimentados pela indústria do petróleo diariamente em todo o mundo muitas vezes estão associados ao trabalho de engenheiros e geólogos. Embora não tão visíveis, os matemáticos também desempenham um importante papel, nas empresas do setor e na produção de conhecimento em unidades de pesquisa. Que o diga o colombiano Luis Fernando Lozano, do IMPA.

Leia também: European Research Day no Rio acontecerá após o ICM 2018
Robert Morris ganha o Delbert Ray Fulkerson Prize 2018
O ovo João-bobo de Cristóvão Colombo

Às 13h30 desta sexta-feira (27), na sala 228 do IMPA, Lozano defenderá a tese “Efeitos difusivos em escoamentos trifásicos em meios porosos”. Se para o leigo soa incompreensível, talvez ajude saber que estudos como o realizado pelo colombiano – uma análise matemática de processos de recuperação de petróleo – podem, de alguma forma, levar a técnicas mais eficientes de produção em poços petrolíferos. 

Lozano explica que a ideia resumida do estudo “é desenvolver teoria, algoritmos e programas de computador para o cálculo de soluções em reservatórios que envolvem três substâncias (como água, óleo e gás) em um meio poroso, que pode ser uma rocha ou o pré-sal.”

Ter maior domínio das equações por trás das variáveis que governam o fluxo dos fluidos permite desenvolver técnicas de extração que aproveitam o máximo possível da capacidade de um poço. Em uma atividade que envolve bilhões, qualquer ganho de rendimento pode significar uma economia vultosa de recursos.

E como a Matemática entra nisso? Lozano resolveu uma classe de problemas de injeção. Para isso, desenvolveu uma metodologia para identificar as superfícies de choques trasicionais associadas, que aparecem como resultado da perda de hiperbolicidade estrita em um ponto isolado do espaço de saturações.

Segundo o colombiano, a metodologia usada na tese combina análise teórica e computação para construir soluções exatas para o modelo de escoamento. Isto permitiu a realização de experimentos computacionais nas equações para fornecer evidências científicas da existência (e unicidade) de soluções com continuidade local sob variação dos dados.

Laboratório de Dinâmica dos Fluidos

A Dinâmica dos Fluidos é uma área sobre a qual Lozano se debruça desde a graduação em Matemática, na Universidade del Valle, em Cali, Colômbia, onde nasceu.

“Sempre gostei de equações diferenciais parciais e métodos numéricos. Na graduação e no mestrado, trabalhei em dinâmica dos fluidos para ondas de água e EDP dispersivas. No doutorado, trabalhei em dinâmica dos fluidos em meios porosos e leis de conservação”, informa o futuro doutor, casado, pai de dois filhos, um deles nascido no Rio.

No IMPA, sobre o qual ouviu falar pela primeira vez quando estava na faculdade, Lozano realiza pesquisas, não à toa, no Laboratório de Dinâmica dos Fluidos.

“Na graduação, um professor que veio fazer doutorado no IMPA chegou à minha universidade. Naquele momento, descobri o IMPA e o reconhecimento do Instituto em todo o mundo. Então, decidi que gostaria de estudar aqui um dia”, revela, feliz com a realização do sonho.

Orientado por Dan Marchesin, criador e coordenador do Laboratório de Dinâmica dos Fluidos, o colombiano destaca a oportunidade de trabalhar com um pesquisador que reúne excelência na área e trajetória invejável.

“Meu conselheiro é um grande pesquisador, com muita experiência na parte científica e muito talento para ensinar. Suas recomendações foram sempre bem-sucedidas. Aprendi muito com ele também como pessoa”, enfatiza.

Leia também: Se Bernard Shaw ensinasse matemática, ela seria popular
A trajetória de beneficiários do Bolsa Família na OBMEP