Navegar

18 de julho de 2018, 11:09h

Talentos estão escondidos nas pobrezas do Brasil

Reprodução da coluna de Marcelo Viana na Folha de S. Paulo

Desde que concluiu o ensino médio, em 2016, Rodrigo do Nascimento, 19, já teve quatro empregos. No mais recente, trabalhava 12 horas por dia em um mercadinho, sem carteira assinada, com apenas um dia de folga. Nesse tempo, fez curso técnico em administração e iniciou outro em informática.

Morador da interiorana Capela do Alto, em São Paulo, Rodrigo é hexacampeão da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep) e tem um sonho: cursar engenharia mecânica na Universidade Federal de São Carlos. No seu caminho, a pobreza.

Leia também: Cayo Dória defende tese e sonha viver da Matemática
Blog Ciência & Matemática apresenta os fenômenos do gelo
Artigo revela os talentos escondidos da OBMEP

“Tive de parar tudo para trabalhar, mas quero ser alguém. Minha família não tem faculdade, minha mãe sempre trabalhou com faxina, meu pai é caseiro e ganha muito pouco. Quero sair para uma cidade maior, com mais oportunidade”, diz Rodrigo.

Geovana Sousa, 14, vive com avó e dois irmãos no pequeno distrito de Jordão, em Sobral, no Ceará. A mãe, Maria Telma, é empregada doméstica e dorme no trabalho. Medalhista de ouro e bronze na Obmep e de prata na Olimpíada de Astronomia, Geovana sonha formar-se em engenharia, esse feudo masculino.

Para ler o texto na íntegra acesse o site do jornal ou confira na versão impressa

A Folha permite que cada leitor tenha acesso a dez textos por mês mesmo sem ser assinante.

Leia também: Pedro Sponchiado conquista medalha de ouro na IMO
IMPA abre concurso para contratar pesquisador
Olimpíada de Matemática promove justiça social