Navegar

2 de agosto de 2018, 11:56h

Donaldson reporta avanços da geometria diferencial

O matemático britânico Simon Donaldson abriu a sessão de palestras no segundo dia do Congresso Internacional de Matemáticos, que acontece até a próxima quinta-feira (09) no Riocentro. Ganhador da Medalha Fields (1986) e condecorado Sir pela rainha Elizabeth II em 2012 por suas contribuições à Matemática, ele dedica-se há aproximadamente 40 anos à pesquisa de geometria diferencial.  

Logo no início de sua fala, o professor do Imperial College de Londres disse que tratar de geometria diferencial é especialmente importante no Brasil, em razão das décadas dedicadas ao tema pelo professor emérito do IMPA Manfredo do Carmo, que morreu em abril deste ano, aos 89 anos. “Lembramos das grandes contribuições de Manfredo do Carmo para o desenvolvimento da geometria diferencial tanto para o Brasil, quanto para o mundo”.

Leia também: Daskalakis explica como computou o Equilíbrio de Nash
‘Poucos tiveram iniciativas de tanto impacto’
‘David Donoho é um polímata moderno’ 

Na palestra “Developments in Kähler geometry and exceptional holonomy”,  Donaldson tratou de dois temas caros à área e que normalmente são referidos de forma separada: a geometria de Kähler e a holonomia. Sobre esta última, o professor destacou que ainda pouco se conhece, mas que os estudos podem se beneficiar muito com o avanço da própria geometria de Kähler. Ao final da palestra, o matemático afirmou esperar que novas pesquisas sobre o campo sejam reportadas nos próximos congressos internacionais.

Além da Medalha Fields, Donaldson acumula em seu currículo vários outros prêmios, entre eles o Crafoord de Matemática (1994), o Shaw de Matemática (2009) e o Breakthrough Prize in Mathmatics (2014).