Navegar

20 de março de 2018, 12:18h

Robert P. Langlands é o vencedor do Prêmio Abel 2018

Dan Komoda/Institute for Advanced Study

 

A Academia Norueguesa de Ciências e Letras anunciou nesta terça-feira (20) o vencedor do Prêmio Abel 2018. A honraria foi concedida ao matemático americano-canadense Robert P. Langlands, 81 anos, professor emérito do Instituto de Estudos Avançados de Princeton (EUA), “por seu programa visionário que liga a teoria da representação à teoria dos números”.

No comunicado, a Academia Norueguesa de Ciências e Letras informa que o matemático foi premiado pelo projeto “Programa Langlands”, finalizado em janeiro de 1967 e considerado a “grande teoria unificada da Matemática”.

Leia também: Museu do Amanhã mostra a beleza escondida da Matemática
Primos gêmeos constituem um dos mistérios mais intrigantes
Unidades de Pesquisa do MCTIC repudiam homicídio de Marielle

Na época, o matemático tinha 30 anos e era professor associado em Princeton. Trabalhando durante as férias de Natal, escreveu uma carta de 17 páginas ao grande matemático francês André Weil, na época com 60 anos, descrevendo alguns de seus novos conhecimentos matemáticos.

“Se você está disposto a lê-lo como pura especulação, eu apreciaria isso. Se não, tenho certeza que tem uma cesta de lixo à mão”, escreveu. Para a sorte do mundo acadêmico, a carta não foi jogada fora.

A carta de Langlands introduziu a teoria que criou uma maneira totalmente nova de pensar a Matemática: sugeriu vínculos profundos entre duas áreas, a teoria dos números e a análise harmônica, até então consideradas incompatíveis.

As ideias do matemático de Princeton eram tão radicais e ricas que os mecanismos que sugeriu para unir esses campos matemáticos desembocaram no “Programa Langlands”.

O programa reuniu centenas dos melhores matemáticos do mundo nos últimos 50 anos. Pode-se dizer que nenhum outro projeto na Matemática moderna teve alcance tão amplo, produziu tantos resultados profundos e reuniu tantas pessoas trabalhando em parceria. Sua profundidade e amplitude cresceram. O “Programa Langlands” é descrito, atualmente, como uma grande teoria unificada da Matemática, tanto que será tema da seção temática do ICM 2018, no Rio de Janeiro, em agosto.

Robert P. Langlands receberá o Prêmio Abel do rei da Noruega, Harold V, em cerimônia em 22 de maio próximo, na capital Oslo. Além do reconhecimento, o matemático receberá 623 mil euros (equivalente a R$ 2,52 milhões).

Biografia

Robert Phelan Langlands nasceu em New Westminster (Canadá) em 6 de outubro de 1936. Matriculou-se na Universidade da Columbia Britânica aos 16 anos, atraído pela Matemática, particularmente pelos cálculos algébricos. Após conseguir o diploma de bacharel (1957) e mestrado (1958) na Columbia Britânica (Canadá), Langlands concluiu o doutorado na Universidade de Yale (1960), nos Estados Unidos.

Ele atuou ainda como professor nas Universidades de Princeton e Yale. Em 1962, tornou-se membro da Escola de Matemática do Instituto de Estudos Avançados de Princeton. Atualmente, ocupa, na universidade, o escritório onde trabalhou o físico Albert Einstein (1879-1955).

Ao longo da carreira, Langlands ganhou vários prêmios em reconhecimento pelas contribuições notáveis à teoria das formas automorfas. Entre eles, o Jeffery–Williams (1980), o Cole (1982), o Wolf (1995–96), o Steele (2005), o Nemmers(2006) e o Shaw (2007). Foi ainda eleito membro da Sociedade Real de Londres (1981) e da Sociedade Americana de Matemática (2012).

Leia também: O professor de matemática que inspirou Stephen Hawking
Dia do Pi é comemorado no mundo inteiro
Morre aos 76 anos o cientista britânico Stephen Hawking