Navegar

20 de julho de 2018, 17:34h

Robert Morris ganha o Delbert Ray Fulkerson Prize 2018

Robert Morris é pesquisador do IMPA desde 2010

Os pesquisadores Robert Morris (IMPA), Yoshiharu Kohayakawa (IME-SP), Simon Griffiths (PUC-Rio), Peter Allen e Julia Böttcher (ambos do Departamento de Matemática da London School of Economics and Political Science) ganharam o Prêmio Delbert Ray Fulkerson de 2018, pela publicação do  trabalho “The chromatic thresholds of graphs”.

Leia também: IMPA abre concurso para contratar pesquisador
O que a Matemática tem a ver com a biologia do cérebro?
Olimpíada de Matemática promove justiça social
 
Criado em 1979 para homenagear o matemático norte-americano Delbert Ray Fulkerson, o prêmio é concedido a cada três anos para até três artigos de destaque na área de Matemática discreta, que inclui teoria dos grafos, redes, programação matemática, combinatória aplicada, aplicações na ciência da computação e assuntos relacionados. Os ganhadores recebem US$ 1,5 mil.
 
O anúncio dos vencedores aconteceu no 23º Simpósio Internacional de Programação Matemática, realizado em Bordeaux (França), de 1º a 6 de julho.  Em 2015, o prêmio foi concedido ao matemático espanhol Francisco Santos, pelo artigo “Um Contra-Exemplo à Conjectura Hirsch”.
 
Pesquisador associado do IMPA desde 2010, o matemático britânico Robert Morris atua na área de Combinatória e Probabilidade. Foi pesquisador no Murray Edwards College, em Cambridge (Reino Unido).  Fez doutorado na Universidade de Memphis (EUA) e pós-doutorado em Tel Aviv, Tóquio e no IMPA.
 
Membro afiliado da Academia Brasileira de Ciências (ABC), Morris já recebeu os prêmios European Prize in Combinatorics (2015), The SIAM George Pólya Prize in Combinatorics (2016), Prize of the Mathematical Union of Latin America and the Caribbean (2016), 2017: Prize of the Brazilian Mathematical Society (2017), e Prize of the Mathematical Congress of the Americas (2017). Será palestrante convidado do Congresso Internacional de Matemáticos (ICM 2018), no Rio de Janeiro.
 
“No artigo, determinamos (assintoticamente), para cada grafo H, o grau mínimo necessário para garantir que um grafo H-livre tenha número cromático limitado. Este teorema solucionou um antigo problema de Erdös e Simonovits, e confirmou uma conjectura de Luczak e Thomassé”, conta Morris.
 
O pesquisador do IMPA diz que a prova foi feita em São Paulo, quando ele e Simon Griffiths — na época pós-doc do IMPA — visitavam Kohayakawa na USP. À época, Peter Allen e Julia Böttcher faziam o pós-doc na universidade.
 
“O prêmio é um dos mais importantes na área de Combinatória e é uma grande honra sermos selecionados”, afirma Morris.

Marcelo Viana, diretor-geral do IMPA, comentou a conquista do pesquisador da casa.

“É uma distinção que nos enche de orgulho e que é totalmente merecida: o trabalho do Rob e do ‘Yoshi’ vem colocando o Brasil firmemente no mapa de uma área importantíssima, como é a Matemática discreta.”

Quem foi Delbert Ray Fulkerson?

Delbert Ray Fulkerson ficou conhecido no cenário acadêmico pelo desenvolvimento do algoritmo Ford-Fulkerson, um dos mais usados para o cálculo do fluxo máximo em uma rede de fluxos.

Professor de Engenharia da Universidade de Cornell, Fulkerson esteve próximo de provar a conjectura fraca para grafos perfeitos pouco antes de cometer suicídio, aos 51 anos.

Leia também:Prêmio IMPA-SBM de Jornalismo reúne 72 trabalhos
Ciclo IMPA-Serrapilheira mostra que a Matemática pode ser pop