Navegar

28 de agosto de 2018, 18:52h

Plinio Murillo recebe Prêmio Gutierrez de melhor tese

 

Plínio e a diretora do ICMC, Maria Cristina de Oliveira  Foto: Reinaldo Mizutani /  ICMC

 

Karine Rodrigues

De malas prontas para trabalhar no Korea Institute for Advanced Study (KIAS), em Seul, na Coreia do Sul, o colombiano Plinio Pino Murillo, 28 anos, deixa Brasil com mais uma lembrança inesquecível: foi aplaudido de pé ao concluir sua palestra na cerimônia de entrega do Prêmio Professor Carlos Teobaldo Gutierrez Vidalon 2018, recebido pela tese de doutorado em defendida no IMPA, no ano passado. A solenidade foi realizada nesta segunda-feira (27), no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICM) da Universidade de São Paulo (USP).

“Falei dos resultados da minha tese, mas também da história para chegar até eles, incluindo momentos difíceis de falta de confiança, motivação e de como é importante o trabalho do orientador também nesse campo pessoal. Tentei que a cerimônia fosse uma oportunidade para motivar alunos mais novos que talvez passem por essas situações, para que tentem lidar com elas e acreditem no que gostam. Espero ter conseguido”, contou Murillo, que foi à cerimônia  acompanhado da namorada, Vanessa Rodrigues. Ele recebeu um certificado das mãos da diretora do ICMC, Maria Cristina Ferreira de Oliveira, e um prêmio em dinheiro.

Leia também: Matemática em casa ajuda as crianças na escola?
Homenagem ao pai da geometria diferencial no Brasil
Projeto A Menina que Calculava é finalista do Prêmio VEJA-se

Além dos elogios à apresentação, Ali Tahzibi, pesquisador do ICMC, destacou o feito de Murillo, que disputou a premiação com outros 24 trabalhos. “Ele conseguiu sintetizar a tese de forma profunda e com senso de humor. Está de parabéns, assim como o IMPA”, ressaltou ele, que, assim como o colombiano, fez doutorado no IMPA. “Fui orientado por Jacob Palis”, contou, com orgulho.

Criado em 2009 pela direção do ICMC, a distinção homenageia o pesquisador peruano Carlos Gutierrez (1944-2008), que trabalhou no IMPA até 1999. Depois, atuou como professor titular no ICMC, onde contribuiu com a fundação e organização do grupo de pesquisa em Sistemas Dinâmicos. Das dez edições do Gutierrez, que é apoiado pela Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), o IMPA conquistou oito. 

Murillo foi reconhecido por “On arithmetic manifolds with large systole”, sob orientação de Mikhail Belolipetsky. Na tese, foram estudados dois elementos geométricos –  os cumprimentos de curvas e o volume – em espaços que têm forte ligação com teoria dos números, chamados variedades aritméticas.

“Espero que esse tipo de prêmio sirva para que outras pessoas também se sintam motivadas e apoiadas a continuar seu próprio caminho”, enfatizou, acrescentando que foi atraído pelo mestrado e doutorado no IMPA pela alta formação do corpo científico da instituição e do acesso que se tem à informação. “Esses recursos são muito importantes para uma excelente pesquisa em matemática e, como aluno, pude aproveitar ao máximo.”

Ao ser indagado sobre uma forma de explicar o trabalho para um público não especializado em Matemática, Murillo fez analogias com situações e objetos do cotidiano.

“Vamos a imaginar, por um momento, que a Terra é como uma bola de futebol, e o Equador é aquele círculo bem no meio da bola. A área da bola e o Equador estão intimamente relacionados. De fato, um determina o outro. Esse é um exemplo de uma relação entre duas quantidades geométricas diferentes. Nós podemos pensar na mesma situação agora com uma rosquinha e relacionar círculos com a sua área. Em minha tese, tratamos essa relação em espaços matemáticos parecidos com a Terra, com a bola de futebol ou com uma rosquinha, mas que de alguma maneira são construídos usando aritmética.”

Exposição traz dados sobre trajetória de Gutierrez no IMPA Foto: Reinaldo Mizutani / ICMC

Durante a cerimônia, o ICMC lançou três iniciativas em memória de Gutierrez, especialista em Sistemas Dinâmicos e Teoria Ergódica: uma exposição sobre a vida e obra do peruano; uma coleção digital com trabalhos dele e sete vídeos nos quais seus principais resultados são destacados por pesquisadores da área. A ideia, contou Tahzibi, surgiu quando um de seus alunos perguntou informações básicas sobre o peruano.

“Percebi ali que, dez anos após a criação do prêmio, precisávamos também divulgar o legado de Gutierrez. Tínhamos muito material dele, que estava guardado, com muito zelo, em um armário. O lugar certo é na biblioteca”, relatou Tahzibi, coordenador das homenagens.

A coleção digital Professor Carlos Teobaldo Gutierrez Vidalon está disponível no Repositório Institucional do ICMC e reúne 33 notas de aulas manuscritas sobre Teoria Ergódica e Teoria da Bifurcação, o diploma de doutorado no IMPA, além de outros materiais.

Leia também: No Blog Ciência & Matemática, conheça Emmy Nöther
A angústia do matemático Ludwig Boltzmann
‘É importante fazer pesquisa sem pensar em aplicação’