Navegar

6 de fevereiro de 2018, 09:39h

Maior competição escolar do mundo foi criada pelo IMPA e pela SBM

Grupo da International Mathematical Olympiad 2017, no Rio: estudantes de 112 países

* O texto abaixo fez parte do dossiê de candidatura do Brasil ao Grupo 5, a elite da Matemática mundial, da União Matemática Internacional 

O Brasil tem duas principais olimpíadas matemáticas. A Olimpíada Matemática Brasileira (OBM) foi estabelecida pela Sociedade Brasileira de Matemática em 1978. A OBM organiza uma competição nacional e várias estatais e regionais, envolvendo cerca de 500 mil alunos todos os anos, desde a 6ª série até o nível de graduação. Além disso, a OBM representa o Brasil nas principais competições ao redor do mundo, incluindo a International Mathematical Olympiad (IMO).

Leia também: Maceió vira capital da Matemática na Semana Olímpica
Mulheres são minoria entre reitores e bolsas de pesquisa
Brasil sobe da 5ª divisão à elite da pesquisa matemática

O Brasil vem participando ininterruptamente da IMO desde 1979, quando ficou em 22° lugar entre 23 países. Até agora, estudantes brasileiros trouxeram 9 medalhas de ouro, 43 de prata e 73 de bronze. O melhor resultado coletivo do país foi 15° entre 109 países, na IMO de 2016 em Hong Kong.

A International Mathematical Olympiad de 2017 ocorreu no Rio de Janeiro, Brasil, de 12 a 23 de julho. Foi o maior até o momento, com 615 concorrentes e um total de 1560 participantes, de 112 países. A organização da IMO 2017 no Brasil foi amplamente considerada um grande sucesso .

Por iniciativa do IMPA e da SBM, em 2005 o governo brasileiro lançou a Olimpíada Brasileira Olimpíadas de Matemática de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), um esforço ambicioso para promover o interesse na matemática e identificar estudantes talentosos em todo o país. A OBMEP atinge praticamente todos os alunos da 6ª série até o final do ensino médio, totalizando cerca de 18 milhões de crianças em mais de 53 mil escolas. Assim, é, longe, a maior competição escolar do mundo.

Estudantes da escola indígena Tuparã, em Nova Ubiratã (MT), participando da OBMEP

A própria competição é acompanhada por bolsas de estudo e vários programas de treinamento para professores e alunos, especialmente para os vencedores das medalhas, patrocinados pelas agências nacionais CAPES e CNPq. Embora a OBMEP tenha demonstrado ser um canal de recrutamento muito útil para as matemáticas, também tem sido particularmente bem-sucedido na canalização de recursos para o treinamento de matemática de estudantes em várias carreiras, desde engenharia e tecnologia até as ciências da vida e mesmo as ciências humanas.

Uma série de estudos independentes demonstraram que as olimpíadas matemáticas têm um impacto significativo no desempenho escolar. Por exemplo, observou-se que as escolas que participam ativamente da OBMEP apresentam taxas de desempenho bem acima das que possuem uma posição menos ativa. A diferença correlaciona-se com um adicional de 1,5 ano de educação, o que é realmente impressionante.

Participantes da IMO 2017 no primeiro dia da competição no Rio de Janeiro

A partir de 2017, as competências nacionais da OBM e OBMEP foram combinadas em uma única Olimpíada, aberta a todas as escolas brasileiras – públicas ou privadas – o que aumentou ainda mais sua amplitude e escala. O comitê da OBM continua responsável pela etapa final, que inclui a seleção dos representantes brasileiros em competições internacionais. Outro grande desafio para o futuro próximo é começar a estender a Olimpíada ao nível escola primária, ou seja, 1ª à 5ª série.

 Leia também: Folha: Pál Erdös, para quem matemática era vida
Pedidos de auxílio para ICM 2018 prorrogados até 5 de fevereiro
IMPA divulga ICM 2018 no Joint Mathematical Meeting