Navegar

26 de março de 2018, 17:23h

OBMEP ajuda a mudar a vida de jovens estudantes

 

 

Reportagem do Jornal Nacional, TV Globo

Falta pouco mais de uma semana para o fim das inscrições da Olimpíada Brasileira de Matemática. As histórias dos medalhistas mostram como essa competição pode mudar a vida dos estudantes.

Valentino, Pietro e Antônio, histórias de vida com um ponto de interseção: a matemática. Os três são medalhistas da Olimpíada Brasileira de Matemática, que em 2017 bateu recorde de escolas participantes: 18 milhões de inscritos de 53 mil escolas públicas e particulares de todo Brasil. Os números da última olimpíada de matemática impressionam mesmo, mas nem os números são capazes de medir a mudança que a matemática proporciona na vida de cada um desses jovens.

Leia também: Jacob Palis é condecorado pela Legião de Honra da França
IMPA lança pedra fundamental de seu novo campus
Grandes professores de matemática moldam destinos

De Tuparendi, cidade de oito mil habitantes no Rio Grande do Sul, para o Rio de Janeiro. Valentino agora é aluno da UFRJ e ganhou uma bolsa de mestrado no Instituto de Matemática Pura e Aplicada, o Impa.

Antônio tem bolsa integral num dos mais conceituados e caros colégios do Rio.

Pietro também é bolsista numa universidade particular, onde faz engenharia da computação e matemática. Com números e fórmulas, cria aplicativos e jogos de computador. “A gente vê aquilo ali e os personagens pulando, atirando, se movendo. A gente imagina que ali tem muita matemática, quase que pura matemática”, diz Pietro Pepe, de 23 anos.

As inscrições para a Olimpíada de Matemática estão abertas e vão até o dia 2 de abril. “É um grande movimento de incentivo a aprendizagem da matemática. E é muito eficaz. A olimpíada aposta em que as pessoas, as crianças, os nossos jovens aprender a matemática pela via do raciocínio, e não da memorização”, explica o diretor-geral do Impa, Marcelo Viana.

Antônio disputa uma das seis vagas para representar o Brasil na olimpíada internacional, na Romênia. Difícil, mas não impossível. Limite é um conceito matemático que ele quer ultrapassar. A matemática pode levá-lo para a Romênia. “Isso, exatamente. Para Romênia, para o Reino Unido, os Estados Unidos e para o mundo inteiro”, conta.

Assista a reportagem completa aqui. 

Leia também: Inscrições para a 14ª OBMEP terminam no dia 2 de abril
Entrevista de Marcelo Viana à Fapesp: “Uma equação difícil”
Robert P. Langlands é o vencedor do Prêmio Abel 2018