Navegar

6 de dezembro de 2018, 09:44h

O que a fama de Einstein tem a ver com o Ceará?

Reprodução do blog do IMPA Ciência & Matemática, de O Globo, coordenado por Claudio Landim

Ildeu de Castro Moreira – Professor do Instituto de Física da UFRJ e Presidente da SBPC

Em 2019 será comemorado em todo o mundo o centenário do Eclipse Solar, ocorrido em 29 de maio de 1919, um acontecimento de extraordinária importância para a ciência. As medidas da deflexão da luz das estrelas na borda do Sol, feitas durante o eclipse, levaram à confirmação da Teoria da Relatividade Geral de Einstein. Ela alterou profundamente a nossa visão do Universo e superou a teoria gravitacional que Isaac Newton havia formulado em 1686. As observações decisivas foram feitas em Sobral, no Ceará, por uma equipe de astrônomos britânicos. Os resultados foram divulgados, em Londres, no dia 6 de novembro de 1919. Nos dias seguintes jornais de todo o mundo, como The Times e o The New York Times, estamparam em suas manchetes que ocorrera uma revolução na ciência: a luz se encurvava nos céus e a teoria de Einstein suplantara a de Newton.

Notável foi o fato de uma expedição britânica confirmar a supremacia da teoria de um físico alemão sobre a do maior cientista inglês um ano depois do fim da I Guerra Mundial, na qual alemães e britânicos tinham se enfrentado e que produzira milhões de mortos e feridos. A ciência surgia como uma lufada de esperança e como um símbolo de paz, em um mundo cansado e destroçado pela guerra. Estes acontecimentos fizeram com que Einstein, um cientista até então conhecido apenas por colegas físicos, se tornasse mundialmente famoso de um dia para outro.

Leia também: Biênio aproximou mais a sociedade e a Matemática
IMPA participa da conferência internacional Imaginary 2018
Quem quer ser um matemático milionário?

Einstein havia previsto, em 1911, que a luz se desviaria de sua trajetória reta ao passar próximo de um corpo celeste com massa grande. Ele sugeriu que tal deflexão da luz – cuja trajetória acompanha a curvatura do Espaço-Tempo, uma das ideias centrais em sua teoria – poderia ser medida, durante um eclipse solar total, por meio de fotografias de estrelas cuja luz passasse na borda do Sol (escurecido pela Lua).

 
No dia do eclipse, 29 de maio, o tempo esteve chuvoso na Ilha do Príncipe e só 2 chapas fotográficas puderam ser aproveitadas, e com resultados bastante incertos. Em Sobral, as condições ficaram boas na hora do eclipse, que ocorreu pelas nove horas da manhã e durou cerca de 5 minutos. As 8 chapas provenientes de um telescópio de 4 polegadas, que era o aparelho menor e secundário (ou seja, o Plano B), foram consideradas muito boas. Sete estrelas, na região da borda do Sol, apareciam nelas. Após um estudo minucioso, os astrônomos Frank Dyson, Eddington e Davidson anunciaram o resultado final, em novembro de 1919, em uma imponente sessão da Royal Society e da Royal Astronomical Society. As medidas feitas em Sobral deram o valor de 1,98 segundo de arco para o ângulo de deflexão da luz. Era um ângulo próximo, dentro da margem de erro, ao previsto por Einstein: 1,75 segundo de arco (pela teoria de Newton o ângulo deveria ser a metade disto!). Einstein tinha razão!
 
Uma comissão brasileira, liderada por Henrique Morize, diretor do Observatório Nacional do Rio de Janeiro, fez observações sobre a corona solar durante o eclipse em Sobral. Medidas do magnetismo terrestre e de eletricidade atmosférica foram feitas pelos norte-americanos Daniel Wise e Andrew Thomson. Os astrônomos estrangeiros ficaram muito agradecidos pela recepção e pelo importante apoio logístico que receberam da comissão brasileira, das autoridades locais e da população de Sobral.
 
Para ler o texto na íntegra acesse o site do jornal 
 
Leia também: Com a OBMEP, trimedalhista de Minas tornou-se autoconfiante

Modelo matemático explica padrão na pele de tubarões
IMPA abre vaga em Matemática Aplicada