Navegar

14 de março de 2018, 23:27h

O professor de matemática que inspirou Stephen Hawking

 
 

Na adolescência, o garoto que revolucionaria a Ciência encontrou inspiração em um professor de matemática. Dikran Tahta (1928-2006), um britânico de ascendência armênia, lecionava na St Albans School, em Hertfordshire, no Reino Unido, quando cruzou o caminho do físico, morto nesta quarta (14).

Leia também: Morre aos 76 anos o cientista britânico Stephen Hawking
Para 9 em cada 10 meninas, engenharia é ‘coisa de menino’
Roberto Alvarenga ‘sonha’ com aplicação para sua pesquisa

Hawking não se considerava um aluno tão fácil assim de ser ensinado. Além de ter uma escrita cheia de garranchos, que exigia um trabalho adicional para a compreensão, demorou a aprender a ler.

Sobre Tahta, dizia-se que fazia seus alunos se sentirem mais vivos. Amava a matemática. E também a história, a literatura e a filosofia. Era um leitor de apetite voraz: um livro por dia, durante cerca de 60 anos, segundo o obituário do The Guardian.

Nas lembranças do físico, as aulas de Tahta – que depois se tornou professor da Exeter University – eram animadas e instigantes, havia interação e tudo podia ser debatido. Não havia limites para a criatividade. Livre, a matemática que ele apresentava aos alunos pulsava em lugares e situações as mais diversas: numa aula de campo, na produção de filmes de animação, na preparação de alguma guloseima.

Até sua morte, em 2006, aos 78 anos, Tahta escrevia artigos para periódicos de educação matemática. E como participante do grupo Leapfrogs, fez história com iniciativas inovadoras no ensino da disciplina, por meio da produção de materiais didáticos e de uma série de matemática para a televisão.

O encontro entre Tahta e Hawking foi tão marcante que, tempos depois, o físico contou ter se tornado professor de matemática em Cambridge graças ao mestre da adolescência.

“A mente humana é incrível. Para atingir todo o seu potencial, precisa de uma faísca. A faísca do questionamento, da emoção, da paixão. Muitas vezes, ela vem de um professor. Dikran Tahta me mostrou como aproveitar minha energia e me encorajou a pensar criativamente sobre matemática. Ele me fez pensar. Ele me fez ser curioso. Ele abriu novos mundos para mim. Isso é o que um grande professor pode fazer”, declarou Hawking, em 2016, na cerimônia do Global Teacher Prize.

Leia também: Vídeo revela as faces de mulheres matemáticas
13º Prêmio Para Mulheres na Ciência abre inscrições