Navegar

30 de abril de 2018, 15:55h

Matemático Manfredo do Carmo morre aos 89 anos

Em uma época na qual as pessoas ainda escreviam cartas, o chinês Shiing-Shen Chern (1911-2004), considerado o pai da Geometria Diferencial, redigiu um punhado delas para contar sobre o trabalho do alagoano Manfredo Perdigão do Carmo, que havia pouco concluíra o doutorado na Universidade da Califórnia, em Berkeley, nos Estados Unidos, sob sua orientação – “The Cohomoloy Ring of Certain Kahlerian Manifolds”, defendida em 1963 e depois publicada no periódico “Annals of Mathematics”

Logo surgiu convite para fazer uma conferência em Princeton, prontamente atendido pelo nordestino, que na ocasião foi apresentado ao matemático Serge Lang (1927-2005), em Nova York. “Sempre muito incisivo, assim que acabou de me conhecer, o Lang disse: você tem cinco minutos para dizer o que você fez na sua tese. Se você não conseguir é porque não fez grande coisa. Eu disse: está bem, eu não desgosto de desafios, eu vou dizer em três minutos”. 

Leia também: Coluna de Marcelo Viana na Folha é publicada no impresso
Matemático amador resolve questão aberta há 60 anos
As crianças pediram, e Lobato escreveu ‘Aritmética da Emília’

O episódio foi relatado por Manfredo, em 2009, em entrevista a Fernando Codá, atualmente professor da Universidade Princeton. No encontro dos dois grandes matemáticos de gerações diversas, ambos da área de geometria diferencial, com trabalhos importantes como pesquisadores do IMPA e trajetórias de vida em Alagoas, há outras histórias interessantes, que não mais poderão ser contadas pelo protagonista, falecido nesta segunda-feira (30), aos 89 anos, no Rio. O velório será realizado nesta terça-feira, a partir das 8h, na Capela nº 4, no Cemitério São João Batista, em Botafogo. O sepultamento está marcado para 15h30.

Manfredo tirou de letra muitos outros desafios ao longo de quase 90 anos, que seriam completados em 15 de agosto. E foi assim desde cedo. No ginásio, por exemplo, o menino fluente em francês engoliu em seco quando descobriu que o esperado dez na redação de inglês estacionou na nota 3. Focou no objetivo de alcançar o desempenho máximo e, diante de entraves financeiros que o impediam de ser aluno do professor mais disputado da cidade, deu o seu jeito.

“Eu não tinha dinheiro para frequentar suas aulas, mas sua sala ficava um pouco alta em relação à rua, e havia uma varandinha; eu ficava encostado na parede embaixo, escondido num canto, ouvindo as aulas. Ele tinha uma pronúncia ótima e adotava um livro muito bom de conversação inglesa; consegui o livro, ficava lendo e ouvindo. Quando entrei para a universidade também sabia falar inglês”, contou o alagoano, em entrevista publicada no livro “IMPA 50 anos”, relatando “que aprendeu inglês de teimoso”.

A matemática entrou na vida de Manfredo não por teimosia, mas também exigiu esforço e dedicação. Mais ligado à filosofia e à literatura, ficou maravilhado com livros adquiridos para a biblioteca da Universidade de Engenharia. Formado, até chegou a trabalhar na área, em Maceió, durante um período curto, mas depois tomou outro rumo.

Registro do 1º CBM, em 1957: Manfredo, de bigode, está na terceira fila

Segundo conta, a participação no 1º Colóquio Brasileiro de Matemática (CBM), realizado em 1957, em Poços de Caldas (MG), foi um momento transformador. Lá conheceu a turma do IMPA, a pesquisa em Matemática e também soube que o amigo de infância há muito perdido no tempo, mas não na memória, Elon Lages Lima, estava nos Estados Unidos, fazendo doutorado. A partir dali, retomaram o contato.  “Para mim, foi uma revelação, pois mostrou que existia vida matemática no mundo; eu poderia fazer uma carreira”, contou na entrevista ao livro “IMPA 50 anos”.

Por meio de Elon, Manfredo, professor da Escola de Engenharia da Universidade do Recife, já casado e com um filho, veio fazer um estágio no IMPA, em 1959.  E aqui vivenciou a experiência de acompanhar o nascimento da pesquisa Matemática no Brasil, na convivência com o próprio Elon, Maurício Peixoto, Leopoldo Nachbin, entre outros pesquisadores. “Nunca tinha visto isso, ela (a Matemática) nascendo, sendo criada em meio a conversas. E os nomes que surgiam, como Shiing-Sheng Chern, famoso geômetra que depois viria a ser meu orientador; Steve Smale, que estava começando a carreira e depois veio passar seis meses no IMPA. Enfim, havia uma intensa atividade intelectual”, relatou em entrevista.

Responsável pela criação e consolidação do campo da geometria diferencial como área de pesquisa no Brasil, Manfredo foi professor da Universidade de Brasília (UnB) – de onde pediu demissão por causa da repressão no país -, pesquisador nos Estados Unidos com a Bolsa Guggenheim e professor visitante da Universidade da Califórnia, em Berkeley.

No IMPA, onde entrou oficialmente como pesquisador em 1966, Manfredo construiu uma sólida trajetória, com intensa atividade de ensino e pesquisa. Tornou-se membro da Academia Brasileira de Ciências (ABC) e presidiu a Sociedade Brasileira de Matemática (SBM) entre 1971 e 1973.  Foi igualmente autor de livros, como o destacado “Geometria Diferencial de Curvas e Superfícies”, traduzido para o inglês, o grego, o espanhol e para o chinês. Foi também conferencista do Congresso Internacional de Matemáticos (ICM) em 1978 e pesquisador premiado. Recebeu, entre outras distinções, o prêmio da Academia de Ciências do Terceiro Mundo por suas contribuições fundamentais à matemática.

Inspirador e humanista

Diretor-geral do IMPA, Marcelo Viana destacou a importância do alagoano para o desenvolvimento da pesquisa matemática no país: “Manfredo é um exemplo para todos nós. Abriu mão de uma carreira muito promissora no exterior para voltar ao Brasil e fundar a escola brasileira de geometria diferencial, uma das mais ativas e exitosas da matemática brasileira. Seus livros inspiraram gerações de estudantes.”

Orientado por Manfredo no doutorado realizado no IMPA, Hilário Alencar, professor da Universidade de Federal de Alagoas e presidente da SBM no período de 2009 a 2013 e de 2015 a 2017, acrescentou: “Todos concordam com a notável contribuição matemática de Manfredo. Porém, o que sempre mais me impressiona nele é o seu lado humanista.”

Em entrevista recente, o alagoano, que se aposentou beirando os 70 anos, comentou que a realização do ICM 2018 no Brasil era “uma consequência natural do progresso na pesquisa em matemática” no país e declarou que nunca se arrependeu de ter se tornado um matemático, decisão que atribuiu à temporada no IMPA, em 1959.

Sobre o IMPA, aliás, onde passou a maior parte de sua vida acadêmica, Manfredo observou: “As instituições também cumprem um ciclo vital, nascem, crescem e morrem. A única maneira de uma instituição evitar o envelhecimento é absorver jovens talentosos, e com uma saudável dose de rebeldia, que irão descobrir e enfrentar novos desafios.” Como um dia, ele mesmo, Manfredo, o fez. 

Leia também: Evento mundial leva a ciência para a mesa de bar
OBMEP 2018 bate recorde de escolas participantes
Evento no IMPA divulga trabalho do Prêmio Abel 2018