Navegar

27 de março de 2018, 12:58h

Matemática prevê acidentes com pedestres e ciclistas

Um grupo de pesquisadores do Departamento de Engenharia Mecânica (DEM) da Universidade de Aveiro (UA), em Portugal, desenvolveu um modelo matemático que calcula a probabilidade de ocorrer acidentes envolvendo pedestres ou ciclistas.

O estudo foi feito a partir de dados fornecidos pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) sobre mais de 4.400 casos ocorridos entre 2012 e 2015, nas cidades de Lisboa, Porto e Aveiro.

Leia também: Jacob Palis é condecorado pela Legião de Honra da França
IMPA lança pedra fundamental de seu novo campus
Grandes professores de matemática moldam destinos

Dos acidentes analisados, 64% ocorreram em Lisboa, 29% no Porto e 7% em Aveiro. Se em Aveiro aproximadamente metade dos acidentes envolveram ciclistas, a realidade é diferente em Porto e Lisboa, cidades nas quais o número de pedestres acidentados atingiu cerca de 90%.

Através de uma regressão logística multinomial que leva em conta o histórico de acidentes, o modelo proporciona uma análise espacial e temporal que permite encontrar padrões de risco. São consideradas nos cálculos variáveis como o gênero do pedestre e do ciclista, a faixa etária, o nível de gravidade dos ferimentos, o dia da semana, o período do dia e as condições meteorológicas.

“A maior parte dos acidentes ocorreram em espaços de grande concentração de pessoas, como estações ferroviárias, zonas comerciais e áreas turísticas localizados nos centros históricos das três cidades”, relata Margarida Coelho, professora e coordenadora do grupo de pesquisa em tecnologia dos transportes do Centro de Tecnologia Mecânica e Automação (Tema) do DEM.

“Em consequência destes acidentes, 90% a 97% dos feridos foram ligeiros; 2% a 8%, graves; e 1% a 2% resultaram em vítimas mortais”, acrescenta Coelho, que teve a colaboração dos pesquisadores Mariana Vilaça, Eloísa Macedo, Nélia Silva e Pavlos Tafidis.

O grupo espera que o modelo matemático possa ser uma ferramenta útil para entidades e autoridades locais e regionais, para o planejamento de medidas de segurança rodoviárias de acordo com especificidades de cada cidade.

Leia também: Inscrições para a 14ª OBMEP terminam no dia 2 de abril
Entrevista de Marcelo Viana à Fapesp: “Uma equação difícil”
Robert P. Langlands é o vencedor do Prêmio Abel 2018