Navegar

26 de fevereiro de 2018, 15:05h

Marcelo Flamarion surfa nas ondas da Dinâmica de Fluidos

“Manezinho da ilha”, já que nasceu em Florianópolis (SC), e criado nas areias das praias cariocas, Marcelo Flamarion  cresceu em ambientes favoráveis ao conhecimento sobre correntezas e ondas. Embora não seja surfista, o matemático aproveitou a maré boa dos números para ficar por dentro de um tema importante: as ondas geradas ao longo das superfícies.

À primeira vista, isso parece não ter relação alguma com a Matemática, mas faz parte de uma área importante — a Dinâmica de Fluidos —, muito utilizada, por exemplo, pelas empresas petrolíferas.

Leia também: Projeto em Brasília aproxima meninas da matemática
Nota oficial do Instituto de Matemática Pura e Aplicada
Inscrições para a OBMEP 2018 já estão abertas

Após pesquisar o assunto por quatro anos, Flamarion defende na tarde desta segunda-feira (26) a tese “Modelos para ondas geradas devido à  interação de uma correnteza com topografia”, orientada por AndrÉ Nachbin.

Filho e sobrinho de engenheiros, Flamarion teve o interesse pela Matemática despertado ainda na infância, ao ver os pais e os tios às voltas com as soluções de problemas da área. O incentivo virou paixão e fez com que optasse pela Matemática como profissão.

Com graduação e mestrado concluídos na Universidade Federal Fluminense (UFF), Flamarion chegou ao IMPA disposto a seguir os estudos na área de Matemática Pura. Mas, após assistir a cursos no instituto, decidiu partir para a Matemática Aplicada. Fez o doutorado sanduíche, dividindo os estudos entre o Brasil e a Inglaterra, na Universidade de Bath, onde foi orientado por Paul Milewski.

Na tese, ele trabalhou dois tipos de problemas: as ondas geradas ao longo de uma superfície e as ondas geradas da interação entre uma correnteza e uma topografia. Para o estudo, o matemático usou dois modelos: o KdV (para canais de água de profundidade rasa) e o de Euler (para canais de água de profundidade intermediária).

“Mostramos que nos modelos de águas rasas (KdV) não há diferença alguma se você aplicar uma pressão sobre uma superfície ou obstáculo interagindo sobre uma topografia. Os tipos de ondas são os mesmos. Mas quando saímos do regime de águas rasas, o modelo de Euler entra em jogo e as diferenças aparecem”, explica.

O futuro doutor revela que ensaios numéricos de seu trabalho poderão ser utilizados por empresas de extração de petróleo, a fim de garantir maior segurança e confiabilidade nas operações submarinas. Do ponto de vista da Matemática, ele acredita que a pesquisa poderá gerar conjecturas e ideias a ser exploradas no futuro por matemáticos da área de Análise, consequentemente produzindo novos teoremas.

Apesar da experiência do doutorado sanduíche na Inglaterra, o estudante valoriza o ambiente do IMPA. “Todos os estudantes do IMPA são muito esforçados e trabalharam muito duro para chegar aqui. Isso ajuda muito no desenvolvimento da matemática dentro do instituto, pois temos pessoas com quem discutir nossos problemas, ajudando uns aos outros.”

Honrado pela parceria com Nachbin, que segundo ele, o ajudou muito na migração da matemática pura para a aplicada, Flamarion aguarda o próximo mês para decidir seu futuro. Aceito para fazer o pós-doutorado na Universidade de Bath, ainda espera o resultado de concursos para se tornar professor no Brasil para decidir qual caminho deve seguir. A maré está sempre a seu favor, basta pegar a onda certa.

SERVIÇO:

Defesa de tese Marcelo Flamarion

“Modelos para ondas geradas devido à  interação de uma correnteza com topografia”

Data: 26 de fevereiro | Horário: 13h | Local: sala 236

Leia também: Tese de Yadollah Zare pode ser usada em problema de Hilbert
IMPA realiza o workshop Graphs and Randomness
Estudo do IMPA e do Technion revela método que paralisa a luz