Navegar

6 de setembro de 2018, 15:56h

John Graunt, o comerciante que inventou a estatística

Em espanhol, estatística diz-se “estadística”, o que ajuda a lembrar que se trata da “ciência de governar”, dedicada a todas as questões de interesse do estado. Seria de se esperar que fosse ciência antiga, mas remonta apenas ao século 17.

Ela foi inaugurada por John Graunt, comerciante de Londres, por meio de seu livrinho “Observações naturais e políticas sobre as listas de mortalidade”. Foi a primeira tentativa, bastante simples, de analisar fenômenos biológicos e sociais a partir de dados numéricos.

Leia também: No bar ou na escola, projetos popularizam a matemática
Brasil conquista 14 medalhas na Olimpíada de Maio
Formas inovadoras de comunicar Ciência

Graunt nasceu em 1620. Seu pai tinha um armarinho, vendia agulhas e botões. O filho juntou-se ao negócio, com sucesso, o que lhe permitiu dedicar parte do seu tempo a interesses intelectuais pouco comuns a um pequeno comerciante. Segundo o biógrafo John Aubrey, “era pessoa dedicada e trabalhadora, que acordava cedo para realizar seus estudos antes de abrir a loja”.

Nas “Observações” analisou as tabelas de nascimentos e mortes em Londres, divulgadas semanalmente pelas 122 paróquias da capital. Graunt começa por indagar por que se publicam tais informações, com indicação das causas de morte. “A razão que me parece mais óbvia é para que o estado de saúde da cidade possa ser conhecido a todo o momento”, responde, com notável senso comum.

Para ler o texto na íntegra acesse o site do jornal ou confira na versão impressa

A Folha permite que cada leitor tenha acesso a dez textos por mês mesmo sem ser assinante.

Leia também: Em nota, institutos de pesquisa pedem segurança ao MCTIC
IMPA abre inscrições para bolsas no Curso de Verão 2019
IMPA abre concurso para contratar pesquisador