Navegar

1 de agosto de 2018, 14:23h

Música, dança e prêmios na abertura do ICM 2018

Com apresentações de músicas e danças da cultura brasileira e entrega da prestigiada Medalha Fields, foi aberto na manhã desta quarta-feira, 1º, o Congresso Internacional de Matemáticos (ICM 2018), que vai até 9 de agosto no Riocentro. Com cerca de 3 mil participantes, é o primeiro encontro realizado no Hemisfério Sul.

“No encerramento do ICM 2014, prometi botar o melhor do talento e da criatividade brasileiros a serviço deste encontro”, afirmou o presidente do ICM 2018 e diretor-geral do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), Marcelo Viana. “Temos trabalhado para popularizar a Matemática, estamos construindo um legado para o futuro. Temos aqui na plateia convidados muito especiais, jovens medalhistas das Olimpíadas Brasileiras de Matemática. Hoje eles estarão com os vencedores da Fields e muitos amanhã receberão as próprias medalhas. Acho que eles não esquecerão essa experiência”, disse Viana.

Leia também: Matemático David Donoho ganha o Prêmio Gauss 2018
Matemática não é só linguagem científica, é também inovação
Música, dança e prêmios na abertura do ICM 2018 

A solenidade teve início com uma apresentação de índios das etnias kuikuros e carajás, acompanhados da cantora Mariene de Castro. Depois dos shows, foram anunciados os quatro vencedores da Medalha Fields, o mais importante prêmio da Matemática mundial.

Vencedores, o iraniano naturalizado britânico Caucher Birkar, o italiano Alessio Fegalli, o alemão Peter Scholze e o indiano Akshay Venkatesh foram aplaudidos de pé, depois da apresentação de um filmete sobre cada um dos pesquisadores.

Em discurso, o ministro da Educação, Rossieli Soares da Silva, anunciou que o governo brasileiro concederá a Ordem do Mérito Educativo a Artur Avila, único brasileiro a receber a Fields, em 2014.

“Vocês poderão um dia estar aqui, como o Artur Avila”, disse o ministro, dirigindo-se aos jovens matemáticos. O ministro prometeu apoio do governo ao IMPA para ampliar as Olimpíadas de Matemática, inclusive para os primeiros anos do ensino fundamental, e investimentos na formação de professores.

De mudança para a Suíça, onde trabalhará na Universidade de Zurich, sem deixar o trabalho no IMPA, Avila comentou as consequências de vencer o mais importante prêmio da Matemática. “Você ganha um reconhecimento, o que é muito agradável. A medalha dá visibilidade maior no grande público, é um papel quase de embaixador da Matemática. Mas a atividade de pesquisa e as dificuldades do dia a dia não se alteram”, afirmou.

Na plateia de centenas de adultos, se destacou a presença da iraniana Armita Akbari, de 6 anos, que veio ao Rio acompanhar os pais matemáticos, Sanaz Zare, professora da Universidade Amirkabir de Tecnologia, e Saieed Akbari, da Universidade Sharif. A família veio pela primeira vez ao Brasil.

“A achamos importante estar presente a um congresso com essa dimensão. Viajamos sempre com nossa filha, não queremos ficar longe dela”, afirmou Sanaz. No domingo (5), quando não haverá programação no congresso, eles planejam um passeio por alguns pontos turísticos do Rio.

Esta é também a sugestão do presidente da União Internacional de Matemática (IMU), Shigefumi Mori. “Aproveitem para explorar a história e a cultura do Brasil. Vamos encontrar velhos amigos e fazer novos. É uma oportunidade única para isso”, afirmou. A solenidade de abertura foi encerrada com apresentações do Maracatu do Mestre Salustiano, de Pernambuco, e da carioca Dança do Passinho.