Navegar

7 de maio de 2018, 13:10h

Há um ano, a Matemática perdia Elon Lages Lima

 

Há um ano, o Brasil perdeu o matemático Elon Lages Lima, um dos mais importantes e produtivos autores de livros de matemática no país. Com mais de 40 livros publicados, era detentor de dois Prêmios Jabuti de Ciências Exatas.

Ex-diretor do IMPA e membro titular da Academia Brasileira de Ciências desde 1963, o alagoano Elon tinha 87 anos e exerceu papel de destaque como inspiração para uma geração de jovens matemáticos brasileiros, entre eles o Medalha Fields Artur Avila, Carlos Gustavo Moreira, ambos do IMPA, Ralph Teixeira (UFF) e Nicolau Saldanha (PUC-Rio).

Leia também: Artigo debate formação de professores de matemática
No Dia Nacional da Matemática, uma história sobre Malba Tahan
Missa de 7º dia de Manfredo do Carmo será no sábado

Lages foi diretor do IMPA em três ocasiões(1969-71, 79-80 e 1989-93). Além disso, destacou-se como presidente da Sociedade Brasileira de Matemática (1973-75) e integrou o Conselho Nacional de Educação e o Conselho Superior da Faperj.

Alguns reconhecimentos por seu papel de destaque na matemática vieram com o recebimento da Ordem do Mérito Científico na Classe Grã-Cruz, da Presidência da República, e do Prêmio Anísio Teixeira, do MEC.

Biografia
Elon dividiu sua formação inicial entre o Ceará e o Rio de Janeiro, onde acompanhou a fundação do IMPA, por Leopoldo Nachbin e Maurício Peixoto. Formou-se em Matemática na Universidade do Brasil (1953). Entre 1954 e 1958, fez mestrado e doutorado na Universidade de Chicago, especializando-se em Topologia Algébrica. Neste período, também recebeu o Prêmio Edna M. Allen.

No retorno ao Brasil, se tornou pesquisador do IMPA. Com auxílio da bolsa Guggenheim, aprimorou-se em Princeton e Columbia. Também foi professor da UnB, de onde pediu demissão em 1965, após o início do Regime Militar.

Elon se dedicou à divulgação da Matemática e da formação de professores, colaborando para estruturar os cursos de licenciatura, bacharelado e pós-graduação Universidade Federal do Ceará.

Também foi idealizador das coleções “Projeto Euclides” e “Coleção Matemática Universitária” e criador, em 1990, do PAPMEM (Programa de Formação e Aperfeiçoamento de Professores do Ensino Médio), que já beneficiou mais de 20 mil professores do país.

Leia também: Revista Piauí: O matemático que deu profundidade à superfície
Universitários fazem prova da OBM nesta sexta-feira
IMPA promove treinamento para olimpíadas internacionais