Navegar

26 de abril de 2018, 16:11h

Ex-aluno do IMPA cria canal no Youtube para universitários

Ao notar que os alunos não aproveitavam as aulas expositivas e tinham dificuldades na hora de estudar para a prova, Renan Brito de Lima, professor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), decidiu conhecer novas metodologias de ensino, para tentar mudar esse quadro. 

A solução que encontrou foi criar uma “Sala de Aula Invertida”. O método permite ao aluno acessar com antecedência, por meio de plataformas públicas como o Youtube e o Google Drive, o conteúdo que será ministrado em sala, para que as aulas presenciais sejam destinadas a resolver exercícios, desenvolver tarefas e tirar dúvidas. 

Leia também: Coluna de Marcelo Viana na Folha é publicada no impresso
Matemático amador resolve questão aberta há 60 anos
As crianças pediram, e Lobato escreveu ‘Aritmética da Emília’

Sob o nome “Matemática Universitária”, o canal elaborado por Lima conta com mais de 500 vídeos e já recebeu quase um milhão de visualizações nos dois anos e meio de existência.

Os temas abordados variam de acordo com as disciplinas lecionadas no semestre, como cálculo diferencial e integral, equações diferenciais ordinárias e álgebra linear. 

Com base nos depoimentos e sugestões dos alunos, o professor regrava os vídeos que não ficaram tão bons e faz novos para complementar a matéria. Todo o material é sempre pensado com antecedência.

“Depois de escolhido o tema, monto um roteiro com o título de todos os vídeos que pretendo gravar. Assim, quando gravo a aula 1, já sei mais ou menos o que vou fazer na aula 50”, explica o professor, que tem mestrado e doutorado pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA). 

Apesar de a motivação inicial ser a sala de aula invertida, Lima revela que também gosta de ajudar estudantes de outras universidades. “Eu deixei o canal aberto para todos e recebi vários agradecimentos de alunos por ter ‘salvado’ o semestre”, comemora o professor. 

O retorno positivo não vem só de Estados brasileiros. Estudantes portugueses e angolanos também aproveitam as aulas virtuais e celebram o aumento das notas.

Em 2018, Lima tem o plano ambicioso de gravar mais 200 vídeos. Recentemente, o canal, que tem mais de 21 mil inscritos e recebe cerca de 2.500 visualizações diárias, ganhou uma página no Facebook.

Leia também: Evento mundial leva a ciência para a mesa de bar
Exposição inaugura Museu de Ciências no Espírito Santo
Em artigo, Marcelo Viana traça cenário da Matemática no país