Navegar

24 de julho de 2018, 10:38h

Evento discute a detecção de partículas misteriosas

Reprodução do blog do IMPA Ciência & Matemática, publicado em O Globo, e coordenado por Claudio Landim

Martín Makler, Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF)

Carla Bonifazi, Instituto de Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IF-UFRJ)

A matéria escura e os neutrinos estão entre as partículas mais enigmáticas da natureza. Os neutrinos foram descobertos há décadas, mas algumas de suas propriedades não se encaixam muito bem na teoria padrão da física de partículas. Elas são as partículas conhecidas com massa mais abundantes no Cosmos e poderiam até elucidar porque o Universo não possui a mesma quantidade de matéria do que de anti-matéria. Já a matéria escura foi teorizada também há décadas, mas nunca foi detectada. Sem a sua presença as teorias mais aceitas para descrever o Universo caem por terra, mas até agora não há confirmação de sua existência. Ambas partículas compartilham o fato de serem difíceis de se detectar, dada sua baixa interação com a matéria. Existe hoje um grande esforço teórico e experimental nessas duas áreas, que provavelmente levará a uma nova geração de teorias físicas e um dos caminhos mais promissores para isso é a realização de grandes experimentos para detectar e medir essas partículas.

Leia também: IMPA abre concurso para contratar pesquisador
O que a Matemática tem a ver com a biologia do cérebro?
Olimpíada de Matemática promove justiça social

Uma escola dedicada à detecção de neutrinos e matéria escura

Os neutrinos e a matéria escura possuem muitas conexões, tanto em relação a suas possíveis propriedades físicas, quanto aos seus métodos de detecção. Elas conformam alguns dos ramos de maior interesse a atividade na Física atual. Por outro lado, estes assuntos são geralmente pouco estudados no Brasil, inclusive nos cursos de pós-graduação em física, especialmente no que se refere aos seus métodos de detecção. Embora exista participação brasileira em experimentos de neutrinos (inclusive há dois em solo brasileiro!) e de matéria escura, esta participação ainda é tímida em nível mundial. Tendo em vista este cenário, será realizada pela primeira vez uma escola sobre a detecção desses dois tipos de partículas, a School on Dark Matter and Neutrino Detection, que ocorrerá de 23 de julho a 3 de agosto no International Center for Theoretical Physics – South American Institute for Fundamental Research (ICTP-SAIFR), em São Paulo. A escola trará pesquisadores de renome internacional (brasileiros e estrangeiros) que abordarão estes dois temas de forma integrada aliando teoria e experimento. Esta é uma característica fundamental e inovadora da escola, que terá sua primeira semana dedicada à fundamentação teórica e a segunda aos métodos de detecção e aos experimentos associados, tanto em andamento quanto em construção ou planejamento.

O objetivo da escola é dar uma base aos participantes no que se refere aos neutrinos e matéria escura, resumindo o estado da arte do conhecimento nestes campos e apontando as grandes questões atuais que motivam o trabalho teórico e experimental nessas linhas. Além das palestras, a escola terá seções práticas nas quais os participantes farão atividades em interação com os pesquisadores e sessões de discussão, onde os alunos poderão dialogar mais diretamente com os professores. Na segunda semana os alunos terão 4 horas de trabalho experimental “mão-na-massa” em pequenos grupos. Cada dia o grupo trabalhará em um experimento diferente, que ilustra técnicas utilizadas nos grandes projetos de pesquisa, de modo que ao final da escola o participante terá realizado 5 experimentos completos. Também haverá seções de pôsters, nas quais os alunos apresentarão seus trabalhos.

Para ler o texto na íntegra acesse o site do jornal 

Leia também: Matemáticas agora concorrem ao Prêmio For Women in Science
Seleção brasileira embarca para a disputa da IMO na Romênia
A trajetória de beneficiários do Bolsa Família na OBMEP