Navegar

31 de agosto de 2018, 15:15h

Ermerson Araujo de malas prontas para o pós-doc no Ceará

São José de Ribamar fica a 32 quilômetros de São Luís, capital do Maranhão.  Ermerson Rocha Araujo saiu de lá para ampliar os horizontes matemáticos no IMPA, no Rio de Janeiro.

Em terras fluminenses, ele conquistou o título de doutor em Sistemas Dinâmicos no fim de julho deste ano. A caminhada rumo ao conhecimento não para por aí. Em vez de voltar para casa — “um dos cartões postais do Maranhão” —, como gosta de declarar, Ermerson está de mudança para Fortaleza (CE), onde cursará o pós-doutorado na Universidade Federal do Ceará.

Leia também: Workshop ajuda jovens matemáticos a planejar carreira
IMPA abre inscrições para bolsas no Curso de Verão 2019
Matemático transforma ensino em unidade socioeducativa

Na tese “Sequências Kneading para “Toy Models” de Aplicações de Hénon”, orientada por Enrique Pujals, o novo doutor conseguiu definir uma estrutura, de tal forma, que quando duas funções a satisfazem, pode dizer se estas funções são iguais ou não.

Começo na Matemática

O jovem maranhense não sabe dizer ao certo quando começou a gostar de Matemática, mas lembra que desde o Ensino Fundamental seu interesse maior sempre foram as disciplinas de Exatas.

“Normalmente, crianças de uma família simples e com certo carinho por contas, como era o meu caso, se imaginam virando Engenheiro. Durante o Ensino Médio no CEFET-MA (hoje IFMA) tive mais contato com excelentes professores de matemática. Assim, o apreço pela disciplina ganhou força em detrimento às outras”.

Porém Araujo demorou para desistir de vez da ideia de virar Engenheiro. Determinado, começou duas graduações: Licenciatura em Matemática (na UFMA – Universidade Federal do Maranhão) e Eng. Mecânica (no IFMA – Instituto Federal do Maranhão).

“O jeito como a Engenharia era tratada no curso me parecia mais uma forma de aprender e reproduzir contas; enquanto que na matemática tínhamos que ter um pouco mais de criatividade para resolver os exercícios”.

Emerson também recebeu uma bolsa de iniciação científica para estudar Matemática. “Abandonei a engenharia e continuei a trabalhar com o que viria a ser minha área de pesquisa: Sistemas Dinâmicos”.

Chegada ao IMPA

A chegada de Ermerson Araujo ao IMPA também se deu por intermédio do professor Nivaldo Muniz (UFMA). Ex-aluno do instituto, ele inscreveu o jovem para participar do V Simpósio Nacional/Jornadas de Iniciação Científica. Depois de concluir a graduação e o mestrado na UFMA, o destino do doutorado já estava certo. “Em 2014, eu voltei ao Rio, agora como aluno da instituição”. Logo de cara decidiu que gostaria de ser orientado por Enrique Pujals. A parceria deu certo.

“Ele é um pesquisador extraordinário e faz com que argumentos extremamente complicados pareçam simples. O Pujals não é muito dado às formalidades no que diz respeito aos encontros com seus alunos. A maioria das conversas que tive com ele durante a preparação da Tese foi no restaurante do IMPA, o que é muito bom, pois isto dá leveza a conversa”, relembra Araujo.

Ele conta que esses papos normalmente tinham a companhia de outros alunos, ex-alunos e quem mais quisesse sentar à mesa para discutir Matemática.

“Em cada encontro com o Pujals surgiam muitas ideias novas para os problemas em que estávamos trabalhando. Posso dizer que é uma imensa aventura ser aluno do Pujals”.

De saída do IMPA, Ermerson Araujo celebra a conquista do título de doutor e a oportunidade de ter sido aluno do instituto.

“Aqui podemos usufruir da excelente biblioteca do IMPA, bem como interagir pessoalmente com excelentes pesquisadores de fora do Brasil que frequentam regularmente a instituição. Além dos próprios alunos do IMPA. O companheirismo e a vontade de ajudar-nos uns aos outros nos mais diversos problemas torna nossa jornada no instituto muito mais emocionante”, conclui.

Leia também: Sete ouros na OBMEP, Luize criou o Matemática para Garotas
Nicolas Bourbaki, o matemático que não existiu
IMPA abre concurso para contratar pesquisador