Navegar

27 de abril de 2018, 17:54h

Dispositivo do MIT Media Lab ‘ouve’ a mente

 

Já imaginou fazer cálculos grandes de cabeça, nunca se atrasar para compromissos e saber sempre que horas são, sem precisar olhar o relógio?

Essas são algumas das funções do AlterEgo, um dispositivo usado como fones de ouvido, que permite que as pessoas tenham “conversas silenciosas” com um computador, sem precisar falar ou fazer nenhum movimento de reconhecimento.

Leia também: Coluna de Marcelo Viana na Folha é publicada no impresso
Matemático amador resolve questão aberta há 60 anos
Ex-aluno do IMPA cria canal no Youtube para universitários

O aparelho, desenvolvido por pesquisadores do MIT Media Lab, usa eletrodos para captar sinais neuromusculares no maxilar e rosto do usuário, acionados por “verbalizações internas”. Em seguida, esses sinais são enviados para um sistema com aprendizagem automática, que tem sido treinado para associar sinais a palavras.

O dispositivo é composto por um par de fones de ouvido com condução óssea, que transmite vibrações através dos ossos da face para o ouvido interno. Como os fones não obstruem o canal auditivo, o sistema é capaz de passar informações para o usuário sem interromper uma conversa ou interferir na experiência auditiva.

Por exemplo, o usuário está conversando com alguém sobre o clima quando, subitamente, deseja obter o resultado da expressão 2681*698/2. A partir da vocalização interna do cálculo desejado, o dispositivo revela o valor obtido através do retorno auditivo, como uma voz. Sem interromper a conversa, o usuário descobre que a resposta é 900.769.

O usuário também pode se comunicar com outros aparelhos, com a internet, assistentes de inteligência virtual ou aplicativos para receber determinadas informações ou fazer comandos.

Para os pesquisadores, a motivação do projeto residia na construção de um dispositivo IA, de aumento da inteligência. “Nossa ideia era: poderíamos ter uma plataforma de computação mais interna, que combina humano e máquina de algumas maneiras e que parece uma extensão interna de nossa própria cognição?”, explicou Arnav Kapur, assistente de pesquisa do MIT.

Leia também: Já imaginou aprender Matemática em um mangá?
Exposição inaugura Museu de Ciências no Espírito Santo
Em artigo, Marcelo Viana traça cenário da Matemática no país