Navegar

2 de maio de 2018, 16:53h

Leia o obituário de Manfredo do Carmo em 'O Estado de S.Paulo'

Reprodução do jornal O Estado de S. Paulo

RIO – Foi enterrado nesta terça-feira, 1º, no Cemitério São João Batista, na zona sul, o corpo do matemático Manfredo do Carmo, pesquisador emérito do Instituto de Matemática Pura Aplicada (IMPA), morto na última segunda-feira, dia 30, aos 89 anos. Nascido em Alagoas, Manfredo é responsável pela criação e consolidação do campo da geometria diferencial como área de pesquisa no Brasil. 

Leia também: Crochê e tricô são formas de pensamento geométrico
Ex-aluno do Impa cria canal no Youtube para universitários
Já imaginou aprender Matemática em um mangá?

Ele foi professor da Universidade de Brasília (UnB) – de onde pediu demissão por causa da repressão no país – pesquisador nos Estados Unidos com a Bolsa Guggenheim e professor visitante da Universidade da Califórnia, em Berkeley. No IMPA, onde entrou oficialmente como pesquisador em 1966, Manfredo construiu uma sólida trajetória, com intensa atividade de ensino e pesquisa. Tornou-se membro da Academia Brasileira de Ciências (ABC) e presidiu a Sociedade Brasileira de Matemática (SBM) entre 1971 e 1973.

Diretor do IMPA, Marcelo Viana destacou a importância do alagoano para o desenvolvimento da pesquisa matemática no país: “Manfredo é um exemplo para todos nós. Abriu mão de uma carreira muito promissora no exterior para voltar ao Brasil e fundar a escola brasileira de geometria diferencial, uma das mais ativas e exitosas da matemática brasileira. Seus livros inspiraram gerações de estudantes.”

Mais informações sobre a vida e a obra do matemático podem ser encontradas na página do IMPA.

Leia também: Exposição inaugura Museu de Ciências no Espírito Santo
Dispositivo do MIT Media Lab ‘ouve’ a mente
ICMC-USP sediará evento-satélite do ICM 2018 em julho