Navegar

18 de agosto de 2017, 09:57h

Coluna de Marcelo Viana na Folha: Perspectivas sobre a IMO

Um colega, professor da New York University, escreveu-me para parabenizar o IMPA e a SBM pelo êxito da Olimpíada Internacional de Matemática (IMO, na sigla em inglês), em julho, no Rio de Janeiro. Contou que a delegação norte-americana voltou elogiando a realização impecável. Cidadãos de países desenvolvidos não costumam pensar no Brasil como modelo de organização. Um cartoon que vi uma vez no exterior explicava por que o inferno é tão ruim: “Lá os amantes são suíços e os administradores são brasileiros”.

Nos dias que precederam a IMO, jornalistas queriam saber por que ter um evento como este no Brasil. Sempre listei duas razões: consolidar a reputação do país no palco internacional e, ainda mais importante, contribuir para melhorar o cenário da matemática no Brasil. Organizar a IMO 2017 foi resultado do trabalho sério feito  partir da criação da Olimpíada Brasileira de Matemática, em 1978. Desde 2005, também temos a maior competição escolar do mundo, a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas, com 18 milhões de participantes.

Precisávamos provar a capacidade de executar um evento internacional complexo, com centenas de adolescentes de todas as culturas. Não poupamos esforços: da segurança à alimentação, da montagem dos locais à programação das atividades, tudo foi planejado. É gratificante receber elogios e começo a acreditar nos que disseram que foi “a melhor IMO de todos os tempos!”

Para ler o texto na íntegra acesse o site do jornal:

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/marceloviana/2017/08/1910848-a-olimpiada-de-matematica-no-brasil-e-por-que-o-rabo-nao-abana-o-cachorro.shtml

A Folha permite que cada leitor tenha acesso a dez textos por mês mesmo sem ser assinante.