Navegar

8 de março de 2019, 08:47h

Ciência é destaque no evento Mulheres do Amanhã

Ilustração do evento Mulheres do Amanhã. Crédito: Museu do Amanhã

O estudo sobre polímeros emissores de luz no Imperial College London, no Reino Unido, ocupa tempo suficiente da britânica Jess Wade. Mas a rotina diária da física ainda inclui um trabalho igualmente fundamental para a ciência, sobre a sub-representação na área. 

Escolhida uma das dez pessoas que se destacaram mundialmente no meio científico em 2018, segundo lista da renomada “Nature”, Wade abre, em 12 de março, o “Mulheres do Amanhã”, parceria do Museu do Amanhã com o British Council Brasil.

Leia também: Pesquisadora do IMPA é destaque na Quanta Magazine
Toda a população deveria ser exposta à matemática’
Tiecheng Xu defende tese sobre cadeias de Markov

O evento, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher (8 de março), reúne programação diária na semana de 12 a 16 (terça-feira a sábado), com a abordagem de gênero sob diversos vieses, entre os quais, ciência, direitos humanos e esporte. 

No primeiro dia de atividade, a discussão gira em torno de temas como a representatividade das mulheres em citações científicas e na internet e os meios de ampliar a visibilidade de mulheres cientistas. 

Na palestra de abertura, às 16h, no auditório do Museu do Amanhã, Wade falará sobre o projeto “Uma cientista por dia na Wikipedia”. Pesquisadora do Blackett Laboratory, ela criou a iniciativa ao se dar conta de que inúmeras cientistas permaneciam à margem da enciclopédia on-line, construída de forma colaborativa.

Em seguida, Wade participa de uma roda de conversa com a biomédica Helena Nader, presidente de honra da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e titular da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), e com a jornalista Flávia Oliveira, colunista de “O Globo”, comentarista de Economia da GloboNews e Rádio CBN e integrante da comissão de matriz africana do Museu do Amanhã.

No dia seguinte (13), o Ciência às Seis e Meia, encontro mensal da SBPC com o Museu do Amanhã, discute o tema “Sem mulheres, a ciência fica pela metade”, com a apresentação de indicadores sobre mulheres na ciência.  

O assunto voltará à discussão no último dia de atividades: às 11h de sábado, o Converse com um Cientista reunirá a especialista em dinâmica dos fluidos computacional Juliana Valerio, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); Erika Rossetto, da Star One, especialista em lixo espacial e diretora do Space Data Association; a astrofísica, escritora e coeditora do blog Cientistas Feministas, Josephine Ruas; a médica Monique França, cofundadora do Coletiva de Negros e Negros da Medicina; e Lenimar Pires, pesquisadora de filosofia, arte, literatura e cultura brasileira.

A programação do “Mulheres do Amanhã” incluirá o Dia para Marielle Franco, dedicado a atividades, conversas e práticas educativas em direitos humanos, motivados pela tragédia da vereadora, assassinada no ano passado; uma oficina sobre equilíbrio da mente; o debate Mulheres no Esporte; o Clube de Leitura sobre o livro “O feminismo é para todo mundo”, de Bell Hooks, pseudônimo da norte-americana Gloria Jean Watkins; e a exibição de “She’s beautiful when she’s angry”, documentário da americana Mary Dore sobre mulheres que lideraram o movimento feminista nos Estados Unidos nos anos 1960 e 1970.

As inscrições gratuitas podem ser feitas no site do Museu do Amanhã, após cadastramento. 

Leia também: Quanto espaço, afinal, existe no infinito?
Estudando à luz de poste, jovem ganha medalhas de matemática