Navegar

23 de janeiro de 2018, 10:36h

Carl Størmer (1874-1957): Matemático e paparazzo nas horas vagas

O matemático e físico norueguês Carl Størmer ficou conhecido por seu trabalho sobre Teoria dos Números e pelo estudo do movimento de partículas carregadas na magnetosfera e na formação de auroras. Mas, se tivesse vivido no século 21, certamente acabaria envolvido em algum incidente por seu peculiar passatempo: fotografar pessoas com uma câmera escondida.

O primeiro (e talvez único) matemático-paparazzo da história nasceu em 1874, em Skien (Noruega). Estudou Matemática entre 1892 e 1897 na Universidade Royal Frederick, atual Universidade de Oslo. Cursou o doutorado na Universidade de Sorbonne (Paris), entre 1898 e 1900, onde foi colega de Picard, Poincaré, Painlevé, Jordan, entre outros.

Leia também: Matrículas para alunos do PROFMAT terminam na sexta
Inscrições abertas para novos polos olímpicos de treinamento
Folha de S. Paulo: Cotas não resolvem, mas ajudam

Desenvolveu o gosto pela fotografia por volta dos 19 anos, quando ainda era estudante. Tinha como costume usar uma câmera-espiã sob seu colete para fazer retratos de pessoas famosas pelas ruas da capital norueguesa. Nessas investidas, fez imagens do dramaturgo Henrik Ibsen e do filólogo Ivar Aasen. Perto de completar 70 anos, fez uma exposição com essas imagens.

Foi professor da Universidade de Oslo durante 43 anos e o primeiro presidente da Sociedade de Matemática Norueguesa. Sua influência no círculo acadêmico fez com que fosse afiliado ao Instituto de Astrofísica Teórica da Universidade de Oslo, membro da Royal Society e membro correspondente da Academia Francesa de Ciências.

Além disso, foi plenarista do Congresso Internacional de Matemáticos em três ocasiões — 1908 (Roma), 1924 (Toronto) e 1936 (Olso), onde também foi presidente do Congresso. Ainda foi palestrante convidado dos ICM em 1920 (Estrasburgo) e 1932 (Zurique).Morreu aos 82 anos, em 1957. É avô do também matemático Erling Størmer.

Assista ao vídeo

Leia também: ABC premia Jacob Palis com a Medalha Henrique Morize
Questão matemática esperou mais de 300 anos por solução
Conheça os requisitos essenciais para ingressar no IMPA