Navegar

17 de setembro de 2018, 14:08h

Canal do IMPA no YouTube chega a 30 mil inscritos

Emanuel Carneiro em aula do programa de doutorado do IMPA

Parece até mágica. Você digita um endereço eletrônico, movimenta o cursor e vê diante de si uma parte significativa da história dos 65 anos do IMPA perpetuada em som e imagem. Atualmente com 30 mil inscritos e quase 4 mil vídeos, o Canal do instituto no YouTube reúne cursos, workshops, palestras e entrevistas com eméritos desbravadores, que acreditaram e investiram na criação de um centro nacional de ensino pesquisa em matemática.

Com mais de 2 milhões de visualizações, desde a criação do canal, em setembro de 2009, os vídeos são divididos em oito playlists: Programa de Mestrado; Programa de Doutorado; Programa de Aperfeiçoamento para Professores de Matemática do Ensino Médio (PAPMEM); Palestras especiais; Entrevista com eméritos; Festival da Matemática; Workshops e minicursos; e Colóquio Brasileiro de Matemática (CBM).

Leia também: OBMEP chega aos alunos do 4º e 5º anos do Fundamental
No bar ou na escola, projetos popularizam a matemática
Comunicação do IMPA recebe reconhecimento internacional

Estão lá, por exemplo, a aula sobre Medida e Integração, do diretor-adjunto do IMPA, Claudio Landim (17,6 mil visualizações); a palestra da medalhista da OBMEP Tabata Amaral no Festival da Matemática (10,5 mil visualizações); a entrevista com Elon Lages Lima (5,6 mil); e a palestra da pesquisadora do IMPA, Carolina Araujo, sobre a matemática de Maryam Mirzakhani (4,5 mil).

“Ao longo do tempo, o canal do IMPA se converteu num instrumento fundamental na nossa missão de compartilhar conhecimento com a sociedade, com uma penetração realmente notável”, destaca o diretor-geral do IMPA, Marcelo Viana.

Embora o canal no YouTube seja de 2009, a gravação de vídeos no IMPA começou muito anos antes, em 2001. Responsável pela gerência de Tecnologia da Informação do IMPA, Roberto Beauclair recorda que as dificuldades enfrentadas à época não se restringiam aos equipamentos, hoje muito mais modernos.  

“Descobrimos que uma câmera apenas era insuficiente para registrar o que o professor estava escrevendo”, conta, lembrando que a saída foi usar uma câmera focada no pesquisador e outra no quadro.

Criador do Canal do IMPA no YouTube, o coordenador de multimídia do IMPA, Dion Villar, avalia que não existe nada mais difícil do que gravar matemática. “Há pesquisador que escreve com a letra muito pequena; outros, muito rapidamente. E nós precisamos gravar de uma maneira que o internauta possa, onde estiver, visualizar de forma legível o que está no quadro”, observa.

Segundo Dion, um dos indicativos de que o Canal é acompanhado de perto pela comunidade acadêmica é a resposta imediata em dias de gravação ao vivo. “Muitas vezes, tão logo uma transmissão é concluída, já começamos a receber mensagem por e-mail de pessoas querendo saber quando o vídeo será disponibilizado”, relata.

Embora qualquer internauta possa entrar no YouTube e baixar os vídeos, Dion ressalta que a inscrição no canal do IMPA permite uma interação maior, com troca de mensagens durante a transmissão ao vivo, por exemplo. Além disso, os inscritos recebem avisos quando um novo vídeo é baixado.

Uma das últimas transmissões ao vivo, o workshop “Perspectivas para jovens matemáticos – Conselhos sobre o doutorado” , foi realizada no início deste mês. As orientações valiosas dos pesquisadores Emanuel Carneiro e Roberto Imbuzeiro sobre a carreira em pesquisa contam até o momento com aproximadamente 2,5 mil visualizações. Em um dos comentários sobre o vídeo, Raphael R. diz: “Muito obrigado por compartilhar o vídeo no YouTube. Como aluno de pós em outra instituição, tenho o IMPA como referência científica no país e, por terem compartilhado o vídeo, só confirmo minha premissa. Muito obrigado!” Missão cumprida! 

Leia também: Em nota, institutos de pesquisa pedem segurança ao MCTIC
Homenagem ao pai da geometria diferencial no Brasil
IMPA abre inscrições para bolsas no Curso de Verão 2019