Navegar

2 de fevereiro de 2018, 08:43h

Brasil sobe da 5ª divisão à elite da pesquisa matemática

Por decisão da União Matemática Internacional (IMU, na sigla em inglês), a partir de ontem o nosso país integra o grupo das nações mais avançadas na pesquisa matemática: Alemanha, Canadá, China, Estados Unidos, França, Israel, Itália, Japão, Reino Unido, Rússia e agora também o Brasil.

Sucesso de um projeto acalentado há algum tempo pelo Impa e pela Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), esta promoção é também o culminar da trajetória única de nosso país no cenário mundial da matemática.

Leia também: Pedido de apoio financeiro para ICM termina em 5 de fevereiro
IMPA assina cooperação com Rondônia e cidade do Rio
Seleção feminina escalada para a European Girls’ Mathematical

O Brasil aderiu à IMU em 1954. O começo foi modesto: os países membros da IMU estão organizados em cinco grupos, segundo o grau de desenvolvimento de sua matemática, e o Brasil começou no grupo 1, o menos importante.

Diz muito do despreparo de nossa comunidade na época o fato de que não temos nenhum registro escrito da adesão: não sabemos como aconteceu, nem sequer quem tomou a iniciativa (perguntei aos arquivos da IMU, em Berlim, mas ainda não obtive resposta).

De lá para cá tudo mudou.

Grupos de pesquisa em diferentes temas da matemática foram criados e prosperam em todas as regiões do país, em universidades e institutos que também oferecem programas de pós-graduação mestrado e doutorado de padrão internacional: ninguém mais precisa sair do Brasil para alcançar formação matemática de alto nível.

Esta mudança está evidenciada de modo contundente nos dados sobre a produção científica realizada no país. O número de trabalhos de pesquisa de matemáticos brasileiros dobrou de 2006 para 2016, e quase decuplicou na comparação com 1986. Os números ficam ainda mais impressionantes quando comparamos com os totais mundiais: enquanto que em 2006 produzíamos 1,53% de toda a matemática mundial, em 2016 esse percentual já era 2,35% e com tendência claramente ascendente. Em 1986 éramos apenas 0,7% do mundo.

Para ler o texto na íntegra acesse o site do jornal 

A Folha permite que cada leitor tenha acesso a dez textos por mês mesmo sem ser assinante.

Leia também: Brasil produz 2,4% de toda pesquisa matemática mundial
Com matemática jovem, Brasil chega à elite da pesquisa
Brasil é promovido à elite da matemática mundial