Navegar

28 de agosto de 2017, 09:28h

Babilônios podem ter criado trigonometria mais precisa

Desde que se descobriu ecos do Teorema de Pitágoras no padrão de números gravados em uma pequena placa de barro, de estimados 3.700 anos, pesquisadores do mundo todo tentam descobrir seu uso pelos babilônios. Agora, pesquisadores da Universidade de Nova Gales do Sul, da Austrália, acreditam ter resolvido o mistério de quase um século. Trata-se, segundo eles, da mais antiga e precisa tabela trigonométrica de que se tem notícia, que teria sido utilizada em cálculos para construções arquitetônicas, como palácios, templos e canais.

Revelada em estudo publicado no dia 24 na revista científica Historia Mathematica, a conclusão provoca uma reviravolta na história da matemática: seriam os babilônios, e não os gregos, os criadores da trigonometria, com uma antecipação de mais de 1000 anos. Porém, entre os pesquisadores da área, há quem conteste tal interpretação, mostra reportagem da Science Magazine.

Encontrada no início do século XX no sul do Iraque pelo arqueólogo Edgar Banks – que serviu de inspiração para o fictício personagem Indiana Jones -, a relíquia foi vendida para o editor americano George Plimpton por volta de 1922 e, pouco mais de uma década depois, doada à Universidade Columbia, em Nova York, onde permanece até hoje.

Com 12.7 centímetros de largura e 8.8 centímetros de altura, a placa, conhecida como Plimpton 322, contém quatro colunas e 15 linhas de números escritos no alfabeto cuneiforme.

Segundo os autores do estudo, Daniel Mansfield e Norman Wildberger, da Faculdade de Matemática e Estatística, as inscrições revelam que os babilônios expressavam a trigonometria de uma forma diferente da que se conhece, baseada em razões, e não em ângulos e circunferências, como atualmente. Além disso, usavam um sistema de numeração sexagesimal, que seria mais preciso do que decimal que adotamos.

“Esta nova interprestação da P322 eleva significativamente o status da matemática babilônica. E a grande quantidade de tábuas ainda não traduzidas provavelmente conterá muitas surpresas.  A descoberta da trigonometria é atribuída aos gregos antigos, mas isso precisa ser reconsiderado diante desta trigonometria babilônica sexagesimal, muito anterior, mais simples e mais precisa. Além de ser historicamente significativa, a P 322 traz as premissas fundadoras de nossa própria cultura matemática em perspectiva. Talvez, essa forma diferente e mais simples de pensamento tenha potencial para o aperfeiçoamento da ciência, da engenharia e da educação matemática”, escreveram os autores no artigo.