Navegar

21 de junho de 2018, 11:26h

Após o almoço, pausa para música e pesquisa

Logo após o almoço, uma pausa para a música. O programa convidativo veio de uma forma inusitada nesta quarta-feira (20), no IMPA. Entre acordes de piano, explicações sobre live coding (codificação ao vivo), técnica criativa usada por Vitor Rolla, pós-doutor do IMPA, na apresentação realizada no auditório 3 do instituto.

No seminário performance Live Coding Music, Rolla mostrou o trabalho de pesquisa que desenvolve no Visgraf, Laboratório de Computação Gráfica do IMPA. Após breve relato técnico, contextualizando o uso da forma inovadora de unir ciência da computação e práticas criativas, ele demonstrou passos essenciais para chegar ao resultado final, no caso, uma releitura da composição “Robotic Pianos”, de Andrew Sorensen.

Diante de um laptop, Rolla inseria comandos que faziam sons de piano ecoarem no auditório. Na performance, foi usada a linguagem de programação ChucK, criada pelo músico e cientista da computação sino-americano Ge Wang, que ajudou a criar as orquestras de laptop das universidades Princeton e Stanford, nos Estados Unidos.

Rolla usou operadores compatíveis com MIDI (Musical Instrument Digital Interface), protocolo que permite a comunicação entre computadores e instrumentos musicais, por meio de uma linguagem comum. Para cada tecla de piano foi especificado um número inteiro, detalhou o pesquisador, doutor em Engenharia Informática pela Universidade de Coimbra (Portugal).

Além de lançar mão de um só operador de atribuição, para tornar a linguagem mais fácil, segundo explicou, Rolla usou de forma extensiva a palavra now, para informar a passagem do tempo, possibilitando, assim, que o som fosse tocado.

Ficou curioso sobre o live coding e as pesquisas do Visgraf? Leia mais no site TOPLAP, organização que promove mundialmente o live coding, e no site do laboratório de Computação Gráfica do IMPA.

Leia também: ‘Como a Matemática moldou a minha vida’
Ciclo IMPA-Serrapilheira mostra que a Matemática pode ser pop
Noite de Matemática e cerveja encher bar no Jardim Botânico