Navegar

7 de dezembro de 2017, 12:11h

A matemática pode nos ajudar a solucionar crimes?

Ao contrário do que possa imaginar o senso comum, é grande, sim, a chance de o criminoso voltar à cena do crime.

Pelo menos quando se trata de roubo a residências. A constatação faz parte das conclusões de uma área de pesquisa relativamente nova, mas “promissora e empolgante”, nas palavras de Maria Rita D’Orsogna, professora da California State University at Northridge (EUA).

Leia também: Boletim de Alan Turing aponta dificuldade em Matemática
Artur Avila recebe prêmio Personalidade França-Brasil
Matemático critica modelo de sorteio da Fifa, na Folha

Ela se refere à união entre a Matemática e a criminologia, tema abordado na palestra que apresentou na conferência internacional Métodos Matemáticos e Modelagem de Fenômenos Biofísicos, encerrada esta semana, no IMPA.

“Se pego um objeto qualquer e solto ele no ar, sabemos que, pelo efeito da gravidade, ele vai cair no chão. No caso dos fenômenos sociológicos não é assim. Um crime, por exemplo, é cometido por uma pessoa, que, por sua vez, segue instintos, difíceis de prever e controlar”, explica Maria Rita, observando que, apesar dessa complexidade, é possível usar ferramentas matemáticas para analisar esse tipo de ocorrência.

Maria Rita mostrou como modelos matemáticos têm sido usados na avaliação de achados sociológicos como a Teoria das Janelas Quebradas, que, em resumo, diz que desordem gera desordem. O princípio norteia a política de segurança pública norte-americana baseada na tolerância zero ao crime.

No caso do roubo à residência e a estabelecimentos comerciais, por exemplo, a análise se torna mais fácil porque o crime ocorre em um cenário estático, diferentemente do que ocorre em assaltos a pedestres nas ruas. Por isso, é possível focar inteiramente no modus operandi do ladrão. Antes de agir, ele costuma estudar a cena do crime durante um certo período de tempo para verificar quantas pessoas vivem na casa; em que horários fica vazia, entre outros aspectos. Por isso frequentemente vemos casos de comerciantes assaltados várias vezes pelo mesmo ladrão.

A análise dessa rotina do assaltante de residência sob a luz de equações diferencias parciais, por exemplo, mostrou que a chance de que ele retorne é grande porque já possui domínio das variáveis que importar para entrar em ação.

Os matemáticos, então, podem nos ajudar a solucionar os crimes? Maria Rita dá risada e diz que, se fosse assim, logo seriam alçados ao cargo de prefeito ou ganhariam rios de dinheiro. Mas avalia que ela é uma ferramenta útil para compreensão dos múltiplos aspectos dos crimes e identificação de possíveis estratégias de prevenção.

Leia também: Lógica matemática para compreender as famílias
IMPA assina convênio com a Fundação Itaú Social
Professor de Matemática concorre a prêmio nacional