Navegar

12 de outubro de 2018, 11:09h

A matemática nos 30 anos de "Os Simpsons"

A série americana “Os Simpsons” está na 30ª temporada, mas poucos sabem que o sitcom animado mais longevo da história tem Matemática de alta qualidade em vários episódios. Cinco roteiristas que trabalharam no programa ao longo desses 30 anos são os responsáveis por colocar Matemática por trás das trapalhadas de Homer, Marge, Bart, Liza e Maggie.

É só dar uma olhada no currículo acadêmico deles para entender a paixão pelos números. Ken Keeler é Doutor em Matemática Aplicada e Al Jean fez graduação em Matemática também na Universidade de Harvard. Pela Universidade de Califórnia (Berkeley), J. Stewart Burns é Mestre em Matemática e David S. Cohen é Mestre em Ciência da Computação. E Jeff Westbtook é Doutor em Ciência da Computação pela Universidade de Princeton.  Com todo este conhecimento, eles foram inserindo doses de Matemática no subconsciente do público.

Homer, um matemático incompreendido

A influência matemática aparece logo no segundo episódio da 1ª temporada, intitulado “Bart, o Gênio”. Logo no início há referência à equação mais famosa do planeta (E = mc2), que aparece nos blocos de montar de Maggie.

São tantos episódios marcados pela disciplina que fica até difícil escolher sobre qual deles falar. Um dos mais icônicos é “Treehouse of Horror VI” (“Casa na Árvore do Terror VI”, em tradução livre), sexto programa da 7ª temporada. Exibido em 29 de outubro de 1995, mostra Homer preso em um mundo tridimensional e apresenta os mais intensos cinco minutos de Matemática já transmitidos para um grande público. Ele foi assistido por 22,9 milhões de espectadores, tornando-se o programa de maior audiência da Fox na semana em que foi ao ar.

Dois anos depois, os telespectadores ficaram enlouquecidos com o segundo episódio da 10ª temporada. Em “The Wizard of Evergreen Terrace” (“O Mágico de Springfield”, em tradução livre). Homer fica deprimido após saber que passou da metade da expectativa de vida dos homens sem realizar nada que valesse a pena. A família tenta animá-lo, mostrando um filme de suas realizações. Quando o projetor de filmes para de funcionar, Lisa menciona que Thomas Edison inventou o projetor e Homer decide aprender mais sobre o cientista e, eventualmente, o idolatra. Em uma tentativa de seguir seus passos, ele deixa seu emprego na usina para se tornar inventor. E é aí que a surge a Matemática. A “resolução” do último Teorema de Fermat surge na cena em que Homer aparece em frente a um quadro negro solucionando uma série de equações.

Ao primeiro olhar, parece que o personagem conseguiu com facilidade o que o matemático inglês Andrew Wiles demorou anos… Mas é claro que é uma pegadinha dos autores da série. A equação de Homer passa raspando pela solução porque os números 3.987, 4.365 e 4.472 quase geram uma igualdade, pois o cálculo feito por uma calculadora comum aproxima o resultado e maqueia o erro.

 

Lisa também é um gênio!

Em “MoneyBart“, terceiro episódio da 22ª temporada, Lisa usa Matemática para treinar um time de beisebol vencedor, em referência ao filme “Moneyball”, estrelado por Brad Pitt. 

Embora todo o enredo esteja enraizado em estatísticas, a referência mais significativa aparece tão rápido que somente olhos bem treinados poderiam notar. Pouco antes de seu primeiro grande jogo no comando, Lisa aparece debruçada sobre uma pilhas de livros, o que faz um repórter comentar: “Eu não vi tantos livros em um escritório desde que Albert Einstein praticou canoagem”. E aí que aparece o truque matemático.

Um dos livros é intitulado “e  + 1 = 0 “. Para o olhar destreinado, esta é apenas mais uma fórmula, já para os matemáticos, nada mais é do que a equação mais bela na história, porque combina cinco dos ingredientes fundamentais da Matemática (0, 1, e, i, e π) em uma receita elegante. Conhecida como identidade de Euler, essa fórmula recebeu esse nome homenagem ao suíço Leonhard Euler.

Voltando à 3ª temporada do seriado, no 20º episódio – “Colonel Homer” (“Coronel Homer”, em tradução livre) é possível notar a primeira aparição do cinema de Springfield. Certamente os telespectadores não viram nada demais no nome da sala, mas alguns perceberam que ele se chama “Springfield Googolplex”. Para quem não sabe, Googol é o nome que o sobrinho do matemático americano Edward Kasner deu a 10 100. A referência a um dos maiores números do mundo é de 1938 e foi resgatada pela turma de escritores de “Os Simpsons”.

Em entrevista ao “The Guardian”, David X Cohen, um dos matemáticos responsáveis pelos roteiros da série, explica porque valeu a pena deixar a vida acadêmica para colocar um pouco de Matemática em um programa de TV.

“Eu realmente teria preferido viver minha vida inteira como pesquisador, mas acho que ‘Os Simpsons’ tornam a matemática e a ciência divertidas, e talvez isso possa influenciar uma nova geração de pessoas”.

Certamente, você verá Homer e sua família com outros olhos a partir de agora.