Navegar

1 de June de 2018, 16:41h

Roda de Matemática ensina crianças a amar a disciplina

O lema de que é mais fácil aprender brincando vale para tudo na vida, até mesmo para a Matemática. Baseado neste pensamento, Gustavo Aleixo, Ligia Zorzo e Janaina Villela criaram há dois anos, em São Paulo (SP), a Roda de Matemática, escola para crianças de 5 a 12 anos, cujo objetivo é ensinar a amar a Matemática e construir com ela uma relação positiva.
Inspirada nos círculos matemáticos do Leste Europeu, onde havia encontros entre renomados matemáticos com jovens estudantes para troca de conhecimentos, a escola tem o formato um pouco diferente.

“Não temos aulas expositivas. Discutimos problemas matemáticos com grupos de até oito crianças. O objetivo é menos achar a solução da questão, mas, sim, quantas formas diferentes são possíveis para solucionar este problema”, conta Aleixo.

Leia também: ‘A internet não substitui o papel do professor’, diz Viana
Prova da OBMEP será realizada terça por 18,2 milhões de alunos
Pesquisadora usa Matemática no combate ao câncer

A opção pelo público de 5 a 12 anos é justamente para evitar que sejam “contaminados” pelo bicho papão que transforma a Matemática na inimiga número 1 dos estudantes. Para Aleixo e sócias, nesta faixa etária, o amor genuíno das crianças pela disciplina está latente.
“Entendemos que esta fase é o momento crítico para mostrar às crianças que a Matemática pode ser interessante, rica e flexível. Fazemos isso discutindo os problemas de forma bastante flexível e desenvolvendo raciocínio matemático. ”
A Roda de Matemática tem como pilar o trabalho da professora inglesa Jo Boaler, da Universidade de Stanford. Para Boaler, não se deve enfatizar o erro da criança na resolução de um problema que ela desconhece, mas fazer com que tenha uma relação mais saudável com a Matemática, descobrindo haver diversos modos de chegar à solução.

O conteúdo das aulas se baseia especialmente na literatura dos círculos matemáticos, surgidos por volta de 1890/1900. “Os círculos têm a cultura de passar amor e interesse pela Matemática. Existe uma vasta bibliografia traduzida para o inglês na Universidade de Berkeley. Os problemas sempre têm uma abordagem interessante, desafiadora e acessível”, afirma Aleixo.

O fundador diz que os problemas da Roda de Matemática têm de ser desafiadores, mas não inacessíveis aos alunos. “Costumamos dizer, como Jo Boaler, que as questões precisam ter piso baixo, para que todos possam acessar, e teto alto, para que os alunos se sintam motivados a encontrar a solução. ”

Cada encontro semanal dura mais ou menos uma hora e 20 minutos, tempo suficiente para discussão e aprofundamento dos temas. No período, as crianças resolvem de dois a três problemas. “Temos a visão de que a Matemática é uma das matérias das quais você tem mais recursos para apresentá-la de forma interessante. Infelizmente, muita gente não faz uso disso”, lamenta Aleixo.

Para ele, jogos matemáticos e olimpíadas de conhecimento como a OBM e a OBMEP são métodos eficazes para despertar o interesse dos estudantes, pois geram engajamento instantâneo e abrem espaço para mostrar várias ideias matemáticas de forma desafiadora.

A questão pedagógica tem papel relevante nos bons resultados da escola. O projeto reúne professores que falam de conceitos matemáticos interessantes e sofisticados para crianças desta faixa etária. Como precisam ter profundidade nos conceitos, geralmente são matemáticos, físicos, engenheiros ou profissionais de exatas e passaram por treinamento pedagógico diferenciado, embora haja pedagogos especializados na matéria.

Resultados

Aleixo brinca que, para saber se um encontro da Roda foi bom, basta observar quanto tempo os alunos gastaram discutindo entre eles em vez de apenas ouvir o professor. Se os alunos ficaram mais tempo debatendo, a aula foi um sucesso.

“A ideia é fazer com que os alunos se envolvam e encontrem entre eles as soluções, trabalhando em grupo. O objetivo é fazer com que eles aprendam Matemática fazendo Matemática.”

Nos dois anos, o projeto foi ganhando espaço no boca a boca dos pais. A Roda de Matemática já conta com cerca de 150 alunos semanais. Mais do que isso, o retorno de especialistas da área, diretores e consultores em Matemática têm agradado o trio de fundadores, cientes de estar no caminho certo para que cada vez mais crianças amem a Matemática.

Leia também: ICM 2018 abre inscrições para visitas de escolas
Todo ser humano nasce apto para a matemática
Blog Ciência & Matemática: Qual é o propósito da Ciência?