Navegar

9 de January de 2019, 08:49h

Ramanujan foi um matemático inspirado pelos deuses

Reprodução da coluna de Marcelo Viana, na Folha de S.Paulo

O indiano Srinivasa Ramanujan (1887-1920) é uma das figuras mais interessantes da história da matemática, talvez de toda a ciência. Apesar de ter tido uma educação formal muito deficiente, ele tinha um talento extraordinário para descobrir misteriosas relações entre diferentes números, expressas em fórmulas extremamente complicadas das quais ninguém suspeitara antes.

Ramanujan quase nunca conseguia explicar como chegara até elas e atribuía suas intuições à inspiração divina da deusa Mahalakshmi, protetora de sua família. Divina, mas não infalível: algumas (poucas) de suas fórmulas estavam erradas! Outras só seriam comprovadas muito depois pelo trabalho de outros matemáticos, especialmente do francês Pierre Deligne, que ganhou a medalha Fields em 1978 —em parte, por ter provado a chamada Conjectura de Ramanujan.

Leia também: Artesanato se antecipou à descoberta de poliedro
Curso de Verão 2019 reúne diversos sotaques no IMPA
IMPA abre vaga para Analista Administrativo

O indiano pertence ao pequeno clube dos matemáticos cuja vida, mal ou bem, foi contada em filmes. O mais recente (2015), intitulado “O Homem que Conhecia o Infinito”, é bastante fiel aos fatos para uma obra do gênero.

Ramanujan nasceu na região de Madras (atualmente Chennai), no sul da Índia. Sua família pertencia à casta brâmane, a mais elevada na sociedade hindu, mas era pobre, e ele perdeu o pai cedo. Aos 16 anos, descobriu a paixão pela matemática, que virou seu interesse quase exclusivo. Anotava suas descobertas num caderno surrado, que carregava o tempo todo.

O descaso pelas demais disciplinas fez com que fosse reprovado mais de uma vez. Mais tarde, já casado, viu-se forçado a aceitar um emprego humilde. Aos 23 anos, encorajado pelos empregadores, reuniu seus melhores resultados numa carta ao renomado matemático inglês G. H. Hardy (1877 – 1947), da Universidade de Cambridge.

Impressionado, Hardy convidou-o a visitar a Inglaterra, onde se esforçou para fazer com que o seu gênio fosse reconhecido, vencendo preconceitos. Mas o clima inglês, aliado a deficiências nutritivas, agravou o frágil estado de saúde de Ramanujan. Diagnosticado com tuberculose, voltou à Índia, onde morreu pouco depois, aos 32 anos.

Para ler o texto na íntegra acesse o site do jornal ou confira na versão impressa

A Folha permite que cada leitor tenha acesso a dez textos por mês mesmo sem ser assinante.

Leia também: Na Medicina, Alan de Pinho encontrou a Matemática
Calendários regulam a vida da humanidade há milênios
IMPA abre vaga em Matemática Aplicada